Dicas do CEO: Série produtividade – como hackear seu cérebro?

Olá!

Semana passada comecei uma série sobre produtividade dentro do Dicas do CEO. Na oportunidade falei sobre a analogia de nosso cérebro com um músculo. Essa analogia possui um lado negativo: assim como um músculo, nosso cérebro se fadiga. Da mesma forma que você não consegue correr por 8 horas seguidas, pois seus músculos se cansam, é difícil manter seu cérebro tomando decisões racionais por tanto tempo. Por isso estamos mais propensos a tomar decisões ruins quando nosso cérebro já está fadigado.

Imagine se houvesse uma forma de “programar” seu cérebro para tomar decisões melhores? O artigo de hoje é sobre isso, e essa é uma ferramenta que pode mudar sua vida.

Nós, seres humanos, somos seres que agimos baseados em hábitos. Nosso cérebro tem uma fortíssima tendência a economizar energia, por isso a maior parte das decisões que tomamos são decisões não conscientes, baseada em costumes ou emoções. Nos consideramos seres racionais, entretanto nossas decisões racionais são somente uma pequena fração entre todas as decisões que tomamos durante o dia. Então, tentar tomar melhores decisões racionais, além de fadigar seu cérebro, só irá melhorar uma pequena fração de todas as suas decisões. A maneira mais eficiente de melhorar suas decisões é mudar seus hábitos.

Se o primeiro passo para tomar melhores decisões é mudar seus hábitos, faz sentido entender como eles funcionam primeiro, certo?

Basicamente, um hábito funciona em três etapas: gatilho, rotina e recompensa.

Por exemplo, imagine que você sente fome a noite e abre a geladeira. Dentro da geladeira existem duas opções para você comer: uma maçã e uma barra do seu chocolate preferido. Qual decisão você vai tomar?

Se você parar para tomar uma decisão racional, saberá que a maçã é muito mais saudável, afinal o que é consumido à noite afeta os níveis de açúcar no sangue por até 14 horas. Mas, se você não possui hábitos saudáveis ou não tem esse nível de autocontrole, provavelmente sua escolha será a barra de chocolate. Isso porque, no momento que você vê a barra de chocolate, imediatamente seu cérebro irá lembrar da recompensa, a sensação de “felicidade” que o chocolate causa. O chocolate contém em sua composição o triptofano, um aminoácido que ajuda a sintetizar serotonina, o “hormônio do prazer”.

É uma batalha desleal: razão x hábito. E geralmente, o hábito vence.

Por isso, a forma mais fácil de tomar melhores decisões é entender como funcionam seus hábitos e hackeá-los. Tentar ter mais autocontrole só vai fatigar mais cérebro, pelo menos num primeiro momento. O segredo aqui não é tentar mudar as regras do jogo, e sim, uma vez que você entendeu essas regras, saber jogar.

Passo 1 – Identifique o gatilho

Vamos analisar o caso acima. O gatilho que desperta a rotina (comer chocolate) é o sono. Provavelmente, quando você começa a sentir sono, seu cérebro envia um alerta: “hora de comer chocolate”! O gatilho pode ser uma determinada hora do dia, um estado emocional, um lugar, ou até uma pessoa. O importante é identificá-lo.

Passo 2 – Identifique a recompensa

Uma vez identificado o gatilho, identifique a recompensa. O que seu corpo anseia quando sendo vontade de comer chocolate a noite? Nesse caso, é a sensação de prazer causada pelo triptofano.

Passo 3 – Mude a rotina

Não é apenas o chocolate que contém triptofano!

Alimentos como banana, leite com aveia, amêndoas ou abacates também são ricos na substância. Dê ao seu cérebro o que ele pede: triptofano! Mas troque um hábito ruim por um hábito bom.

Existem basicamente três formas de mudar hábitos e tomar melhores decisões. São eles:

  • Eliminar um gatilho que provoca um hábito negativo: você precisa mesmo encontrar aquela pessoa que te deixa naquele estado de nervos?
  • Criar uma recompensa para um hábito positivo: que tal após se exercitar tomar um copo do seu suco preferido?
  • Tocar a rotina, assim como o exemplo do chocolate.

Acho que nesse ponto você já entendeu como funciona. Agora você tem em mãos uma poderosa ferramenta para melhorar seus hábitos, sem que seu cérebro precise fazer um grande esforço para isso.

Que tal fazer uma lista de bons hábitos que você gostaria de inserir no seu dia a dia? Se você mudar um hábito por vez, em um ano você consegue mudar 12 hábitos. E mudar 12 hábitos, pode ter certeza, vai mudar sua vida.

Quais hábitos você quer mudar?

Dicas do CEO: Série Produtividade – Decisões por impulso

Olá! Você sabia que, todos os dias, você toma aproximadamente 35 mil decisões?

São micro decisões como a forma de escovar os dentes, se vai usar verde ou azul, sapato ou tênis, etc. Todas essas micro decisões são tomadas, em sua grande maioria, por hábitos que temos e não decisões pensadas. E isso é natural, pois seria impossível tomar decisões conscientes de tudo que fazemos. Seria extremamente fatigante para o cérebro. Continue reading “Dicas do CEO: Série Produtividade – Decisões por impulso”

Dicas do CEO: Como acessar os maiores especialistas do Brasil

Olá!

Aqui quem escreve é o Eduardo, CEO da Mainô, e essa é a primeira Dica de CEO de 2019.

Como foi seu ano de 2018? Como estão suas expectativas para 2019?

Eu quero que você compartilhe comigo os resultados práticos que vão acontecer quando você implementar a dica hoje, beleza? Continue reading “Dicas do CEO: Como acessar os maiores especialistas do Brasil”

Dicas do CEO: Qual o plano da sua empresa para 2019?

Olá,

Você já pensou em qual seu plano para 2019? Aproveite esse fim de ano para construir as bases de um 2019 diferente.

Quero te apresentar uma ferramenta prática para te ajudar a pensar estrategicamente. É uma ferramenta poderosa, baseada num grande best-seller, que pode alavancar sua empresa em 2019: a estratégia do oceano azul.

Vou fazer esse texto pouco teórico e muito prático, beleza? Vamos fazer isso em 3 etapas. E depois dessas 3 etapas, vou dar 3 dicas para você elaborar seu planejamento para 2019.

Etapa 1: Liste seus 3 maiores concorrentes.

 

  1. _____________________________
  2. _____________________________
  3. _____________________________

 

Fácil? Agora vamos a etapa 2: pense em 5 ofertas de valores que seus clientes valorizam (ou você acha que valorizam).

 

  1. _____________________________
  2. _____________________________
  3. _____________________________
  4. _____________________________
  5. _____________________________

 

Terceira e última etapa. Construa uma matriz, dando notas de 1 a 5 em cada célula da matriz, onde 5 quer dizer que a sua empresa (ou seu concorrente) oferece esse valor muito bem ao mercado, e 1 significa que sua empresa (ou seu concorrente) não oferece esse valor ao mercado.

 

EmpresaProposta de Valor 1Proposta de Valor 2Proposta de Valor 3Proposta de Valor 4Proposta de Valor 5
Sua empresa
Concorrente 1
Concorrente 2
Concorrente 3

 

Por exemplo, imagine que você é um distribuidor de alimentos, e um dos seus principais diferenciais é variedade de produto. Então “variedade de produto” é uma proposta de valor e, provavelmente, sua empresa é nota 5 neste quesito, enquanto seus concorrentes são notas 1, 2, 3 ou 4.

Outro exemplo, imagine que você é uma empresa contábil. Talvez um de seus concorrentes seja uma contabilidade online e talvez no quesito “preço” você perca, mas no “quesito” consultoria você ganhe.

3 dicas para planejar 2019 baseado na estratégia do oceano azul

Pare um pouco e observa a matriz preenchida. Observe quanta informação preciosa você acabou de colocar no papel. Baseado nesta análise, vou dar algumas dicas de como tornar a concorrência irrelevante em 2019.

Dica 1: Abra espaço para novas ações

A ideia aqui é ajudar você de forma prática, a executar algo diferente da concorrência em 2019. Então observe agora as 5 propostas e valor e pense: qual delas eu quero deixar de fazer?

Sim, como já disse Steve Jobs, inovar é dizer não a centenas de boas ideias. Então pense em qual proposta de valor você poderia deixar de entregar, que economizaria tempo e/ou dinheiro da sua empresa, e abriria espaço para novas ideias. Coragem, simplifique seu produto ou serviço. Simplicidade é a máxima sofisticação.

Um dos exemplos ilustrados pelo livro Estratégia do Oceano Azul é o cirque du soleil. Ele conseguiu inovar eliminando espetáculos que não agregavam mais valor algum, como espetáculos com animais ou astros circenses.

Dica 2: Qual proposta de valor o mercado anseia e ninguém entrega?

Ainda utilizando o exemplo do cirque du soleil, ele incluiu música e danças artísticas, alto então que é novidade para o público circense. Com isso, atraiu um público diferente e de quebra aumentou seu ticket médio.

Repare que ao combinar a primeira dica com a segunda, você consegue realocar recursos (tempo ou dinheiro geralmente) de algo que agrega nenhum ou pouco valor ao mercado, para tentar gerar uma verdadeira disrupção, tornando sua concorrência irrelevante.

O que você pode oferecer hoje que ninguém está oferecendo?

Dica 3: Minimize os riscos, maximize as oportunidades.

Você não pula sobre uma camada de gelo sem antes pisar, certo? Ao realizar esse movimento em sua empresa, é importante executar pequenos testes de mercado, com o objetivo de responder a seguinte pergunta: será que o mercado anseia pela minha nova proposta de valor?

Atualmente existem inúmeras ferramentas para realizar testes de mercado sem precisar gastar fortunas com pesquisas de mercado. Você pode fazer sua própria pesquisa. Aqui vão algumas ideias para validar uma proposta de valor:

  • Visite seus clientes e peça para observar o dia a dia deles;
  • Faça questionários (google forms é uma ótima ferramenta) e envie a seus clientes para entender o que eles precisam;
  • Incentive sua equipe a dar ideias: as melhores ideias vêm de quem lida com os clientes diariamente;
  • Crie protótipos ou MVPs;

Esse é o último Dicas do CEO do ano. Espero que essas dicas lhe ajudem a ter um 2019 próspero!

Foram 15 textos ao longo de 2018. Em 2019, vou dobrar a meta com pelo menos 30 textos.

Vamos com tudo! Conte comigo.

Dicas do CEO: Qual desses cenários a sua empresa está?

Olá!

Hoje quero apresentar para você um exercício simples. Gostaria que você respondesse a três simples perguntas. Apenas isso, três simples perguntas.

Mas para isso vou apresentar o diagrama a seguir.

diagrama

cenários

Primeira pergunta: Dos cenários a seguir, qual é o melhor?

Segunda pergunta: Dos cenários a seguir, qual o pior?

A terceira pergunta vem no fim do post.

Pense um instante. Responda mentalmente as perguntas antes de continuar a leitura…

Respondeu?

Vamos em frente. Obviamente, o melhor cenário para uma empresa estar é o cenário A. Nada como alto crescimento e alta lucratividade, certo? Essa é fácil. Mas na hora de responder a pergunta sobre o pior cenário para uma empresa se encontrar, é que muitos gestores se enganam. A resposta mais comum quando faço essa pergunta é a letra D, baixo crescimento e prejuízo.

Nada pode ser pior, certo?

Errado. Pior que baixo crescimento e prejuízo é alto crescimento e prejuízo.

A justificativa é simples. Imagine que Joãozinho vende pipoca por R$ 5,00 o saquinho. Nas suas contas, Joãozinho chegou a um custo de R$3,00 por saquinho vendido, incluindo toda matéria-prima utilizada na fabricação da pipoca. Com isso, a cada venda, ele teria uma margem de lucro R$ 2,00 por saquinho.

Acontece que Joãozinho cometeu um erro muito comum por empreendedores inexperientes: esqueceu de incluir na conta o seu próprio custo. Se tivesse incluído seu próprio custo, o saquinho de pipoca passaria a custar R$5,50, levando-o a um prejuízo de R$ 0,50 centavos por saquinho vendido.

Acontece que o preço de R$5,00 era bastante atrativo para o mercado local, e Joãozinho começou a ficar bastante conhecido na região. A demanda era tanta que Joãozinho precisou contratar dois funcionários para dar conta das vendas. O negócio que Joãozinho montou estava em pleno crescimento.

Como não havia incluído seu próprio custo no cálculo, assim que precisou contratar funcionários, Joãozinho começou a ter prejuízo. Mas como a demanda era grande, Joãozinho pegou um empréstimo no banco e continuou a contratar funcionários e crescer.

Já sabemos onde isso vai terminar, certo?

Joãozinho claramente estava no quadrante B: alto crescimento e prejuízo. E esse é o pior cenário para uma empresa estar: quanto mais cresce, mais prejuízo tem. Se Joãozinho soubesse como calcular a margem de lucro do seu produto, poderia ter evitado esse problema. Talvez seu crescimento fosse mais lento, mas de forma sustentável (quadrante C).

E claro, a última pergunta: Em qual desses cenários a sua empresa se encontra?

Dicas do CEO: Prepare-se para o melhor

“Prepare-se para o pior.” Quem nunca ouviu essa frase? Diante de tanto pessimismo que assolou o país nos últimos anos (e muito meu Rio de Janeiro) essa foi uma das frases mais ditas por comentaristas econômicos, consultores, experts, etc. Talvez a dica que ninguém tenha dado ainda é: “Prepare-se para o melhor!”. Continue reading “Dicas do CEO: Prepare-se para o melhor”

Dicas do CEO: Quanto tempo leva pra faturar 60 milhões?

Olá!

Há alguns anos conheci o CEO de uma das maiores empresas de software do Brasil. Sua empresa cresceu em torno de 40% ao ano, durante 20 anos consecutivos. Essa empresa nunca havia recebido um aporte de capital que não fosse dos próprios sócios. Esse tipo de crescimento, chama-se “crescimento orgânico”, ou como dizem, bootstrap. Continue reading “Dicas do CEO: Quanto tempo leva pra faturar 60 milhões?”

Dicas do CEO: O que é inovação disruptiva e como ela impacta seu negócio?

Olá! 

Alan Turing, o pai da computação, em 1936, modelou a Máquina de Turing, que até hoje é referência para os computadores pessoais. Mesmo assim, quem não é da área de computação e quem não viu o filme “O Jogo da Imitação”, provavelmente não conhece sua história. 40 anos depois, em 1976, Steve Jobs lança o primeiro computador pessoal, o Apple I.

Alan Turing foi um grande inventor. Jobs um grande inovador. Continue reading “Dicas do CEO: O que é inovação disruptiva e como ela impacta seu negócio?”

Dicas do CEO: Liderar não é apenas sobre o que você diz ou faz

Olá! Esse é o décimo artigo da série Dicas do CEO. Obrigado por acompanhar esta coluna. Quero compartilhar minha meta com você. Minha meta é escrever 52 artigos por 52 semanas seguidas e, ao final de um ano, lançar um livro compilando todas as dicas. O que acha? Continue reading “Dicas do CEO: Liderar não é apenas sobre o que você diz ou faz”