Como ter um controle de estoque ágil, eficiente e seguro?

Toda empresa tem ciência dos setores que precisam ser geridos e controlados, garantindo o seu real funcionamento. Entre esses métodos gerenciais fundamentais para a otimização dos resultados na rotina empresarial, o gerenciamento e controle de estoque ainda representam um grande desafio. Apesar de ser uma tarefa básica e muito importante, esse controle ainda não é muito investido nas empresas e acaba sendo deixado um pouco de lado comparado aos outros setores de gerenciamento. As empresas se enganam muito em achar que o gerenciamento de estoque se limita apenas às entradas e saídas de materiais ou em apenas ter o produto em estoque para a venda. E isso pode trazer diversas consequências para a sua empresa. 

Existe uma grande dificuldade em manter uma boa gestão ou saber por onde começar esse processo. Um bom controle e gerenciamento pode beneficiar a sua empresa em vários aspectos, além de promover uma maior vantagem competitiva no mercado. O principal objetivo da gestão de estoque é não deixar haver despesas ou prejuízos com os seus produtos, garantindo um bom desempenho de todas as operações do estoque, como controlar e registrar todas as entradas e saídas, monitorar o ciclo das mercadorias em estoque, além da distribuição dessas mercadorias em armazéns e o mais importante, garantir a satisfação de seus clientes. 

Mas, como começar a ter esse gerenciamento e controle de estoque? Uma boa maneira é a automatização! Muitas empresas pecam ao não investirem em recursos tecnológicos para controle e gestão de estoque. Porém, automatizar o controle do estoque reduz significativamente os equívocos e falhas nos processos.  Com a Mainô, que é uma solução digital para esse setor, não será mais necessário realizar operações manuais defasadas. O nosso sistema ajuda a facilitar o trabalho operacional da sua empresa, além de tornar os processos mais rápidos, confiáveis, práticos e eficientes. A seguir, alguns pontos de benefícios que a Mainô traz no gerenciamento e controle de estoque.

Estoque

Além do cadastro manual completo de produto no estoque, você consegue alimentar o seu estoque diretamente pelas notas de entrada de seus fornecedores. Para facilitar ainda mais este processo, as empresas que possuem o Certificado Digital A1 contam com uma funcionalidade de “Monitoramento de NF-e Emitidas Contra o CNPJ” onde depois de localizada a nota, basta incorporar todos os produtos dela em seu estoque, fazendo os ajustes necessários e alimentando produtos já existentes também. Além dessa, outra dificuldade muito presente em distribuidoras é quando as mesmas recebem mercadorias de seus fornecedores em grandes quantidades e precisam fazer a conversão da unidade de medida. Por exemplo, se um produto veio do seu fornecedor como caixa com várias quantidades, mas você vende o seu produto para seus clientes em unidades, você conseguirá fazer a conversão da unidade de medida de CX para UN rapidamente e o sistema ainda atualiza o custo médio de cada unidade em cima do valor total da caixa.

Além da conversão da unidade de medida, você também consegue dividir produtos no estoque através da entrada de uma movimentação. Para facilitar, imagine que seu fornecedor lhe vende uma caixa de blusas, mas nessa caixa você tem blusas de cores diferentes. Como que você alimenta o seu estoque da maneira correta? Com a Mainô você consegue dividi-lo de acordo com as quantidades de cada cor, assim os produtos ficam separados no estoque, prontos para as vendas, para o controle e, se precisar, você ainda pode agrupar produtos iguais em seu estoque. 

Relatórios de gerenciamento

Com o relatório de movimentações de estoque é possível fazer um gerenciamento das entradas e saídas de cada produto, permitindo acompanhar melhor as necessidades do mercado e as diversas demandas durante todo o ano. Afinal, toda empresa tem picos de demandas e com o relatório de movimentações por período você consegue prever  isso facilmente. Além disso, você conta também com os relatórios de posição de estoque onde você consegue saber o saldo do seu estoque em um determinado dia e o relatório de produtos mais vendidos, que te ajuda a entender as demandas relacionadas a cada produto. Um plus do Sistema Mainô é o Relatório de Quantidade Crítica e Mínima de Produtos em Estoque. Com ele você recebe um e-mail de aviso toda vez que um produto chega em uma quantidade crítica ou mínima no seu estoque, isso te ajuda a não deixar o seu estoque zerar e consequentemente não atender as demandas de seus clientes. 

Controle do custo médio de entrada dos produtos em estoque

Outro ponto muito importante é ter o controle do custo de aquisição de cada produto no estoque. Com a Mainô você já sabe que consegue alimentar o seu estoque com as notas dos seus fornecedores. Mas, você sabia que, dependendo do regime da empresa, o custo dos impostos já são acrescidos automaticamente no valor de entrada do seu produtos no estoque? E tem mais, o nosso sistema ainda calcula o preço médio de entrada do produto no estoque, que é o resultado da soma dos valores dos produtos antigos com os valores dos produtos novos dividida pela quantidade total de itens disponíveis no estoque. Isso te ajuda a saber quanto realmente gasta na aquisição de cada produto, sem precisar de cálculos confusos e assim encontrar o valor adequado de venda do seu produto, que pode até ser feito em massa em cima de um fator.

Planejamento de produção

Muito importante também para empresas que dependem do seu estoque para produção é o controle através do planejamento de produção. É preciso que se mantenha um bom estoque de matéria prima, por exemplo, para poder garantir a continuação do processo de produção. Com o planejamento de produção da Mainô você consegue informar a quantidade planejada e a quantidade executada de cada produto na produção.

Notas de transferências e armazenagem

Empresas que possuem matriz e filial costumam fazer muitas notas de transferência entre empresas e notas de armazenagem. Com a Mainô você consegue fazer automaticamente uma nota de transferência ou uma nota para o seu armazém em cima de uma nota de entrada do seu fornecedor. Além disso, você poderá deixar as parametrizações de impostos pré definidas para esses tipos de notas. 

 

Gostou do artigo? Deixe o seu comentário! 

Qual a diferença entre Contribuinte, Contribuinte Isento e Não Contribuinte de ICMS?

Ao emitir uma nota fiscal é preciso estar atento a todas as informações necessárias e obrigatórias, principalmente as relacionadas à tributação. É muito comum que erros aconteçam no processo de emissão de nota fiscal eletrônica. E uma NF-e emitida incorretamente pode gerar sérios problemas fiscais para uma empresa.

Uma grande dificuldade para as empresas é o correto preenchimento dos dados de seus clientes no momento da elaboração da nota. Isso se deve às particularidades e aos diferentes tipos de empresas e contribuições. Talvez o maior ponto de dúvida na realização do cadastro de um cliente é o indicador de inscrição estadual.

O que é Indicador de inscrição estadual?

O indicador de inscrição estadual é um campo que precisa ser informado no momento do cadastro do cliente. Seu preenchimento é obrigatório para a emissão da nota, além de ser muito importante para as especificações tributárias daquele cliente, pois refere-se ao pagamento de ICMS. Para saber qual é o indicador de inscrição estadual do seu cliente, primeiro você precisa saber as opções possíveis e diferenças entre elas.

As opções de preenchimento são:

  • contribuinte de ICMS;
  • não contribuinte de ICMS ou;
  • contribuinte isento.

Contribuinte de ICMS

De acordo com o artigo 4º da Lei Complementar 87/96 (Lei Kandir): “Contribuinte é qualquer pessoa, física ou jurídica, que realize, com habitualidade ou em volume que caracterize intuito comercial, operações de circulação de mercadoria ou prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior”.

Se o seu cliente realiza esse tipo de operação, isso indica que ele é um contribuinte de ICMS e como contribuinte é obrigatória a presença da sua inscrição estadual. Isso é mais comum em pessoas jurídicas, mas um exemplo de um contribuinte pessoa física é um produtor rural, onde o mesmo efetua operações de venda e não é obrigado a ter um CNPJ.

Você não conseguirá autorizar uma NF-e com indicador da IE como contribuinte sem informar a inscrição estadual. Mas, preste atenção, pois isso não significa que todo cliente que possui inscrição estadual é contribuinte de ICMS. Existem algumas exceções, como as construtoras que podem possuir Inscrição Estadual, mas não são contribuintes.

Planilha de Substituição Tributária

Contribuinte isento

O contribuinte isento é a pessoa jurídica que realiza atividades sujeitas ao ICMS, porém, por algum benefício concedido ou por se enquadrar em alguma condição especial, ela está dispensada ou proibida de possuir uma inscrição estadual. Isso significa que não é possível emitir uma nota fiscal para esse cliente, informando uma inscrição estadual.

Um ponto importante é que alguns estados não permitem contribuintes isentos. São eles: AM, BA, CE, GO, MG, MS, MT, PE, RN e SE. Ao tentar emitir uma nota para algum desses estados, com o cliente como contribuinte isento, você terá a sua nota rejeitada com a seguinte mensagem: “Rejeição 805: A SEFAZ do destinatário não permite Contribuinte Isento de Inscrição Estadual”.

Atenção! Cuidado para não confundir um contribuinte isento com uma operação isenta de impostos.

Não contribuinte

O não contribuinte é a pessoa física ou jurídica que está desobrigada a possuir uma inscrição estadual, por não contribuir com o ICMS. Normalmente eles são os consumidores finais dos produtos, que compram para uso e consumo, sem realizar nenhuma atividade de revenda ou transformação para venda. Um bom exemplo de não contribuintes são os prestadores de serviço.

Mas, como foi informado acima, sabemos que algumas construtoras são classificadas como Não contribuintes e possuem inscrição estadual, ou seja, quando um cliente tiver inscrição estadual é preciso analisar, pois ele pode ser um Contribuinte ou um Não contribuinte. Outro ponto importante é que todas as notas emitidas para clientes não contribuintes devem ser indicadas como notas destinadas ao consumidor final. Caso contrário, a sua nota é rejeitada com a seguinte informação: “Rejeição: Operação com não contribuinte deve indicar operação com consumidor final.”

Recapitulando

  • Uma empresa contribuinte de ICMS é obrigada a ter uma inscrição estadual;
  • Uma empresa não contribuinte de ICMS é desobrigada de ter inscrição estadual, com algumas exceções, como o caso de construtoras que são não contribuintes e possuem inscrição estadual. Na maioria dos casos, os clientes não contribuintes são pessoas físicas. Ou seja, um não contribuinte pode ter inscrição estadual ou não;
  • Uma empresa que é contribuinte isento é dispensada ou proibida de ter uma inscrição estadual. Existem estados que não aceitam empresas isentas, se atente à isso. Mesmo sabendo a diferença entre contribuinte de ICMS, contribuinte isento e não contribuinte, a melhor maneira de ter certeza dessa informação é entrando em contato direto com o seu cliente. Para facilitar os processos da emissão da sua nota fiscal eletrônica é sempre bom ter toda as informações dos seus clientes ou fornecedores antecipadamente. Fique atento à todas as exigências fiscais e busque sempre o auxílio de um profissional contábil e de um bom software emissor de nota fiscal eletrônica. ;D