Sistema de gestão para atacadistas: 6 motivos para contratar

A utilização de um sistema de gestão para atacadistas pode ser a solução dificuldades enfrentadas nas atividades da empresa. Em um mercado competitivo e repleto de concorrentes, conseguir otimizar o negócio é  considerado uma grande vantagem competitiva.

O uso da tecnologia permite que as empresas atacadistas obtenham grandes saltos de desempenho ao automatizar processos internos, reduzir custos e aumentar a produtividade. Em vez de fazer uma gestão de estoque manualmente – perdendo um grande tempo e com grandes chances de erros – um sistema de gestão para atacadistas pode atualizar os estoques automaticamente com base nas informações das notas fiscais.

Se você busca pelas melhores formas para potencializar os resultados da sua empresa, confira os 6 principais motivos para contratar um sistema de gestão para atacadistas.

Dois homens no estoque de um depósito atacadista conferindo mercadorias.

6 motivos para contratar um sistema de gestão para atacadistas

Um sistema de gestão para atacadistas é uma ferramenta que centraliza diversas informações fundamentais da empresa em uma única plataforma – permitindo a integração das informações e a automação de processos internos. Com poucos cliques você consegue acessar os dados necessários para otimizar a tomada de decisão.

Para ajudá-lo a compreender o impacto que essa ferramenta pode ter na sua empresa, separamos os principais motivos para contratar um sistema de gestão para atacadistas.

1. Agilidade nos processos internos

Um sistema de gestão para atacadistas permite que a sua empresa ganhe agilidade na execução dos processos internos. Em vez de perder tempo realizando diversas rotinas manuais e repetitivas, o sistema fica encarregado por essas atividades. Isso libera os funcionários para que se dediquem a atividades mais estratégicas.

Pense no setor de logística da empresa, que fica encarregado pela entrega correta dos produtos. As informações sobre os produtos que devem sair da empresa podem ser extraídas diretamente das notas fiscais de venda. Deste modo fica à disposição da equipe que precisa analisar estes dados.

2. Redução nos custos

Com o aumento da produtividade da empresa, os custos tendem a diminuir – seja por conta da redução da necessidade de mão de obra, pela diminuição das chances de falhas nos processos ou pelo aumento da qualidade de todas as atividades. O impacto de utilizar um sistema de gestão para atacadistas reflete diretamente nos resultados alcançados. Isso significa reduzir custos de forma profissional.

3. Organização dos processos

A estruturação dos processos internos é fundamental! Para que as atividades fluam da melhor maneira, não é? Por este motivo, com um sistema de apoio que fornece todas as informações necessárias, é possível otimizar a organização interna para alcançar resultados ainda melhores.

4. Diminuição dos erros

Imagine uma empresa atacadista que tem uma gestão de estoque ineficiente. Isso pode refletir em pedidos errados de compra de produtos ou na venda de produtos que estão fora de estoque para os clientes, não é? Esses são alguns dos erros que podem ser evitados com um sistema de gestão para atacadistas.

5. Integração entre as informações

Todas as informações internas da empresa podem ser integradas para facilitar o seu entendimento. Quando o setor de vendas, contabilidade, gestão de estoque e logística conseguem estabelecer uma boa comunicação, a venda de um produto se torna mais simples, não é? Lembre-se que quanto melhor a comunicação interna, os processos se tornam agéis e como consequência sua empresa se torna mais estratégica e lucrativa.

6. Aumento da qualidade de diversos processos essenciais

Nos exemplos que abordamos ao longo deste artigo falamos sobre vários processos que são beneficiados por um sistema de gestão para atacadistas: contabilidade, vendas, gestão de estoque, logística, financeiro, entre diversos outros. Os benefícios são notados em toda a organização.

Como vimos, um sistema de gestão para atacadistas apresenta muitos benefícios. E ele torna a sua empresa mais ágil e competitiva. Diante de um mercado em que a agilidade hoje é um ponto-chave, contar com uma boa solução pode potencializar ainda mais a organização.

Você já conhecia os principais motivos para contratar um sistema de gestão para atacadistas? A Mainô possui soluções específicas para seu negócio. Realize vendas, emita notas fiscais, controle seu estoque e financeiro de forma integrada e com poucos cliques com nosso software.  Gostaria de conhecer melhor sobre as funcionalidades dessa solução? Entre em contato conosco agora mesmo através deste link e fale com um de nossos especialistas.

Elisão fiscal: tudo o que você precisa saber

Elisão Fiscal

Você já ouviu falar sobre elisão fiscal? Em um país com uma complexa e onerosa carga tributária, essa é uma solução adotada por muitas empresas para reduzir suas despesas com tributos. Trata-se de um mecanismo que busca estudar alternativas para diminuição da carga tributária dentro dos limites legais.

Todas as pessoas jurídicas estão obrigadas a recolherem diversos tributos, certo? Seja uma empresa optante pelo Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido, a tributação está sempre presente nas operações. Apesar de não ser possível eliminar esses gastos, pode-se avaliar todas as possibilidades legais para minimizá-los.

Neste artigo vamos abordar tudo o que você precisa saber sobre elisão fiscal para reduzir as despesas tributárias do seu negócio. Confira.

O que é elisão fiscal?

Um empresário que deseja iniciar um novo empreendimento possui diversas alternativas tributárias para escolher. Ele pode optar pelos diferentes regimes tributários, buscar por benefícios fiscais e tomar outras decisões que impactam nos seus custos com tributação. 

Além disso, é preciso considerar que o sistema tributário brasileiro é muito complexo e é regrado por legislações federais, estaduais e municipais. Isso significa que uma empresa localizada no Rio Grande do Sul pode ter uma tributação diferente de outra situada no Rio Grande do Norte.

Levando todo esse contexto em consideração, podemos compreender que uma pessoa jurídica pode tomar decisões para minimizar seus gastos. E é justamente esse processo que é chamado de elisão fiscal.

Trata-se de um conceito que se mistura com o planejamento tributário. Estamos falando do uso de diversos estudos e estratégias para gerar uma economia financeira — sempre atuando dentro dos limites da lei. 

Os perigos da evasão fiscal

Quando falamos sobre elisão fiscal, é preciso ter muito cuidado para não confundir com a evasão fiscal. Enquanto o planejamento tributário estuda meios lícitos para reduzir a carga tributária, a evasão fiscal explora mecanismos ilegais para promover uma redução das despesas.

Diversos dos tributos de uma empresa são calculados e recolhidos pela própria empresa. Portanto, seria muito fácil simplesmente informar que o valor das receitas foi inferior ao que realmente ocorreu, não é? Porém, essa é uma prática considerada crime.

A Lei nº 8.137/90, que define crimes contra a ordem tributária, econômica e contra as relações de consumo, prevê em seus artigos 1º e 2º:

Art. 1° Constitui crime contra a ordem tributária suprimir ou reduzir tributo, ou contribuição social e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas: 

I – omitir informação, ou prestar declaração falsa às autoridades fazendárias;

II – fraudar a fiscalização tributária, inserindo elementos inexatos, ou omitindo operação de qualquer natureza, em documento ou livro exigido pela lei fiscal;

III – falsificar ou alterar nota fiscal, fatura, duplicata, nota de venda, ou qualquer outro documento relativo à operação tributável;

IV – elaborar, distribuir, fornecer, emitir ou utilizar documento que saiba ou deva saber falso ou inexato;

V – negar ou deixar de fornecer, quando obrigatório, nota fiscal ou documento equivalente, relativa a venda de mercadoria ou prestação de serviço, efetivamente realizada, ou fornecê-la em desacordo com a legislação.

Pena – reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, e multa.

Art. 2° Constitui crime da mesma natureza:

I – fazer declaração falsa ou omitir declaração sobre rendas, bens ou fatos, ou empregar outra fraude, para eximir-se, total ou parcialmente, de pagamento de tributo;

II – deixar de recolher, no prazo legal, valor de tributo ou de contribuição social, descontado ou cobrado, na qualidade de sujeito passivo de obrigação e que deveria recolher aos cofres públicos;

III – exigir, pagar ou receber, para si ou para o contribuinte beneficiário, qualquer percentagem sobre a parcela dedutível ou deduzida de imposto ou de contribuição como incentivo fiscal;

IV – deixar de aplicar, ou aplicar em desacordo com o estatuído, incentivo fiscal ou parcelas de imposto liberadas por órgão ou entidade de desenvolvimento;

V – utilizar ou divulgar programa de processamento de dados que permita ao sujeito passivo da obrigação tributária possuir informação contábil diversa daquela que é, por lei, fornecida à Fazenda Pública.

Pena – detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

Ou seja, os crimes cometidos com ações de evasão fiscal podem levar à detenção e multas pesadas — que certamente custam mais para o caixa da empresa do que o recolhimento devido dos tributos. Trata-se de um  típico caso em que o barato pode sair muito caro.

Elisão fiscal: redução de custos dentro da lei

Se existem diversas práticas para reduzir as despesas tributárias que são consideradas ilegais, como funciona a elisão fiscal? Conforme vimos anteriormente, a premissa básica da elisão fiscal é estudar as alternativas legais para colocar isso em prática.

Um ótimo exemplo disso é uma empresa que decide mudar sua sede para outro estado para ter acesso a uma alíquota de ICMS inferior ou então poder aproveitar um incentivo fiscal.

Outro bom exemplo seria a opção pelo Lucro Presumido em vez do Simples Nacional para uma empresa que fez uma simulação e identificou que o valor total pago seria inferior pelo Lucro Presumido.

Esse planejamento tributário executado pode incluir diversas práticas. Veja as principais delas:

  • Análise do contexto em que a organização está inserida. Essa avaliação inicial inclui um estudo profundo sobre o setor de atuação, faturamento anual, despesas com funcionários, tributos recolhidos atualmente, obrigações acessórias, entre outras questões pertinentes. É com base nisso que é possível ter uma boa ideia sobre como funciona a tributação atualmente.
  • Escolha do regime tributário adequado. Com base nas informações levantadas, torna-se possível fazer uma estudo para identificar o regime tributário menos oneroso. Geralmente, são criadas simulações para comparar os custos entre Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido.
  • Estudo dos benefícios fiscais. Muitas organizações podem ter acesso a benefícios ficais — como a redução da base de cálculo, direito a crédito tributário ou isenção total. Porém, é necessário acompanhar as atualizações na legislação para identificar esses benefícios e aproveitá-los.
  • Atualização constante. O processo de elisão fiscal requer uma atenção constante da empresa. Todas as mudanças na legislação tributária que possam afetar a tributação da empresa devem ser levadas em consideração para manter os gastos sempre baixos.

Você já conhecia o conceito de elisão fiscal? Quer ter acesso a mais conteúdos como este? Então assine a newsletter da Mainô!

Regime tributário : quais são as obrigações para cada tipo de empresa

Compreender com clareza as características do seu regime tributário é um desafio para muitos empresários. E criar uma visão comparativa entre os diferentes regimes tributários é ainda mais complicado. Será que a sua empresa deveria optar pelo Lucro Real ou Lucro Presumido? Como funciona o Simples Nacional? E o que é o Microempreendedor Individual (MEI)?

Cada um desses regimes tributários possui características únicas, fazendo com que eles sejam mais indicados em situações diferentes. Não existe um regime tributário que seja melhor que os demais. Na verdade, é fundamental que exista um bom estudo para avaliar qual é mais indicado de acordo com as particularidades do seu negócio.

Neste artigo entenderemos melhor quais são as obrigações de cada regime tributário. Acompanhe.

Quais são as principais obrigações de cada regime tributário?

Cada regime tributário possui um funcionamento particular. E isso inclui uma variação nas obrigações que devem ser respeitadas pelas empresas optantes pelo regime. Logo a seguir entenderemos de uma vez por todas quais são as principais obrigações dos principais regimes tributários: Lucro Real, Lucro Presumido, Simples Nacional e Microempreendedor Individual (MEI).

Lucro Real

O Lucro Real é um regime tributário que incide com base no lucro líquido auferido no período – que pode ser encontrado pela subtração entre a receita e as despesas dedutíveis. Ou seja, os tributos que incidem sobre a renda da empresa utilizam o valor real faturado pela empresa, ao contrário do Lucro Presumido e do Simples Nacional.

Os tributos que incidem sobre a renda da empresa são o IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e a CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido). Porém, além desses tributos, as empresas optantes pelo Lucro Presumido também devem recolher vários outros tributos: PIS, COFINS, ICMS, IPI, entre outros impostos que podem variar entre uma empresa e outra – como Imposto de Importação ou INSS patronal.

Já as obrigações acessórias do Lucro Real são:

  • Livros Comerciais e Livros Fiscais: Livro Diário, Livro Razão, Livro de Registro de Duplicatas, Livro Caixa, Livro Registro de Inventário, Livro Registro de Entradas, Livro para Registro Permanente de Estoque, Livro de Apuração do Lucro Real (Lalur), Livro de Movimentação de Combustíveis.
  • DES – Declaração Eletrônica de Serviços.
  • DAPI – Declaração de Apuração e Informação do ICMS.
  • GIA – Guia de Informação e Apuração do ICMS.
  • SINTEGRA – Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços.
  • EFD ICMS/IPI – Escrituração Fiscal Digital.
  • DCTF – Declaração de Débitos Tributários Federais.
  • EFD Contribuições.
  • SEFIP/GFIP: a SEFIP – Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social.
  • CAGED – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.
  • VAF/DAMEF – Declaração Anual do Movimento Econômico Fiscal.
  • ECD – Escrituração Contábil Digital.
  • ECF – Escrituração Contábil Fiscal.
  • DIRF – Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte.
  • RAIS – Relação Anual de Informações Sociais.
  • DIRPF – Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física.

regime tributário

Lucro Presumido

O Lucro Presumido é calculado com base em uma presunção do lucro da empresa em determinado período. Ou seja, trata-se de um regime tributário simplificado para determinar a base de cálculo do IRPJ e da CSLL para pessoa jurídica. Em vez de recolher os tributos baseados no lucro real auferido, é feita uma presunção que considera as características da empresa.

Os tributos que devem ser recolhidos pelas empresas optantes pelo Lucro Presumido são muito semelhantes ao Lucro Real — incluindo IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, ICMS e IPI. Já as obrigações acessórias são as seguintes:

  • Livros comerciais e livros fiscais: Livro Diário, Livro Razão, Livro Caixa, Livro de Registro de Duplicatas, Livro Registro de Inventário, Livro Registro de Entradas, entre outros que são exigidos apenas em casos específicos.
  • DES – Declaração Eletrônica de Serviços: declaração municipal obrigatória para as empresas prestadoras de serviço.
  • GIA – Guia de Informação e Apuração do ICMS.
  • EFD ICMS/IPI – Escrituração Contábil Digital.
  • DCTF – Declaração de Débitos Tributários Federais.
  • EFD Contribuições.
  • SEFIP (Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social) e GFIP (Guia de Recolhimento de FGTS e de Informações à Previdência Social).
  • ECD – Escrituração Contábil Digital.
  • ECF – Escrituração Contábil Fiscal.
  • DIRF – Declaração do Imposto sobre a Renda Retido na Fonte.
  • RAIS – Relação Anual de Informações Sociais.

Simples Nacional

O Simples Nacional é um regime tributário simplificado para facilitar o recolhimento dos tributos. O seu cálculo é feito de acordo com a atividade exercida pela empresa (CNAE) e a faixa da sua renda bruta auferida no período. Com base nisso, é necessário aplicar uma alíquota única para o recolhimento de vários impostos: IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, INSS, IPI, ICMS e ISS.

Já as obrigações acessórias do Simples Nacional são:

  • Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (DEFIS).
  • Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF).
  • Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial).
  • Cadastro geral de Empregados e Desempregados (CAGED).
  • Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).
  • Escrituração contábil.
  • Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação devida por Contribuintes da categoria Simples Nacional (DeSTDA).

Microempreendedor Individual (MEI)

O Microempreendedor Individual é um regime tributário simplificado para empresários que não possuem sócios, têm no máximo um funcionário e alcançam um faturamento anual de até R$81.000,00. Neste caso, para facilitar a vida desse pequeno empresário, todos os tributos que incidem são um valor mensal fixo de 5% do salário mínimo vigente – que é acrescido de R$1,00 para as empresas do comércio / indústria e R$ 5,00 para os prestadores de serviço.

Além de recolher esse tributo fixo mensalmente, o MEI possui algumas outras obrigações acessórias – que também são simplificadas:

  • Emissão de nota fiscal.
  • Relatório mensal das receitas.
  • Entrega da Declaração Anual do Faturamento do Simples Nacional (DASN-SIMEI).
  • Prestação das informações do funcionário contratado.
  • Alvará de Funcionamento Permanente.

 

Você já conhecia as obrigações para cada tipo de regime tributário? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário.

 

Impostos sobre importação: conheça-os e aprenda a calculá-los

O recolhimento correto dos impostos sobre importação é uma preocupação comum nas empresas que trabalham com produtos importados. Tanto empresas que estão dando seus primeiros passos no mercado de importação quanto organizações já experientes no mercado, enxergam a  tributação como uma complicação.

Será que todos os impostos sobre importação estão sendo recolhidos? Os cálculos foram feitos corretamente? Existe alguma possibilidade de reduzir a carga tributária de forma legal? Essas são algumas das perguntas frequentes entre os gerentes de importação.

A boa notícia é que você tem todas as condições de dominar as informações dos impostos sobre importação e calculá-los com facilidade. Ao longo deste artigo veremos como você pode colocar isso em prática.

Quais são os impostos sobre importação?

São sete os impostos sobre importação que a sua empresa deve pagar: II, IPI, ICMS, PIS, COFINS, ISS e IOF. Veja logo a seguir como calcular cada um deles.

1. II (Imposto sobre Importação)

O Imposto sobre Importação é o primeiro tributo que pensamos quando falamos sobre a compra de mercadorias do exterior. Como o nome deixa bem claro, esse imposto incide diretamente sobre as operações de importação.

O fato gerador do II é a entrada de produtos estrangeiros no território nacional e todas pessoas físicas ou jurídicas que importam produtos do exterior devem recolher o tributo.

Para fazer o cálculo, é necessário utilizar o valor aduaneiro do produto (todos os pagamentos efetuados ou a efetuar como condição da venda das mercadorias) e é aplicada a alíquota fixada na tabela chamada de Tarifa Externa Comum (TEC). Basta fazer a multiplicação da alíquota pela base de cálculo para encontrar o valor a ser pago.

2. IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados)

O IPI é um tributo que incide sobre produtos industrializados, nacionais e estrangeiros — incluindo a importação de produtos. Na situação de importação, o seu fato gerador é o desembaraço aduaneiro de produtos de procedência estrangeira.

A base de cálculo do IPI é o valor aduaneiro do produto e sua alíquota varia de 0% a 30%, de acordo com o produto vendido. Isso pode ser consultado na Tipi (Tabela de incidência do Imposto sobre produtos industrializados). Para fazer o cálculo do IPI, basta saber a alíquota sobre a mercadoria vendida e aplicar a seguinte fórmula:

IPI = Base de cálculo (Valor do produto + Frete + Seguro + Outras Despesas Acessórias) * (Alíquota / 100)

3. ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços)

O ICMS é um tributo estadual, portanto, cada unidade federativa tem liberdade para definir a sua alíquota. Para realizar o cálculo, também usaremos o desembaraço da mercadoria importada como fato gerador. O seu cálculo é feito através da seguinte fórmula:

ICMS= (Valor aduaneiro + II + IPI + PIS + COFINS + taxa Siscomex + despesas ocorridas até o momento do desembaraço aduaneiro) ÷ (1 – alíquota devida do ICMS)

4. PIS e COFINS – Importação

O PIS e COFINS sobre importação são regulados pela Lei 10.865/2004. Ela prevê o recolhimento desses tributos em situações de entrada de bens estrangeiros no território nacional. Ou ainda com o pagamento, o crédito, a entrega, o emprego ou a remessa de valores a residentes ou domiciliados no exterior como contraprestação por serviço prestado.

A base de cálculo é o valor aduaneiro da operação e as alíquotas são:

  • 2,1% para o PIS-Importação.
  • 9,65% para a COFINS-Importação.

Entretanto, essas alíquotas podem ser diferentes de acordo com situações específicas previstas na legislação.

>>> Leia também: Pis e Cofins na importação: como recuperar impostos.

5. ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza)

O ISS é um imposto municipal cobrado sobre a prestação de serviços. Portanto, todas as empresas que prestam serviço dentro do território nacional devem recolher esse tributo ao desenvolver suas atividades — com alíquotas que variam entre um município e outro.

Porém, nas situações em que ocorre a contratação de um serviço prestado por uma empresa localizada fora do país também é necessário recolher o ISS. Nesses casos, é considerada como base de cálculo do imposto o preço do serviço. Já a alíquota sobre a importação do serviço proveniente do exterior do País é de 5% — conforme a Lei Complementar 116/2003.

6. IOF – Imposto sobre Operações de Câmbio

O IOF é um imposto cobrado em operações de crédito, câmbio e seguros. Trata-se de um tributo utilizado pelo poder público com o objetivo de regular a economia – permitindo medir e intervir na oferta e demanda de crédito no país.

No caso dos negócios de importação, o imposto é devido sobre a compra de moeda estrangeira, na liquidação da operação de câmbio para pagamento da importação de serviços. A alíquota é de 6,38% e descontada na própria fatura do cartão de crédito.

Facilite o cálculo dos impostos sobre importação com o Comex

Você já conhecia todos esses impostos sobre importação? Além de saber como calculá-los, também é fundamental acompanhar as mudanças na legislação para manter a sua empresa atualizada – cumprindo todas as obrigações fiscais em dia.

Uma ótima forma de facilitar a rotina de apuração dos impostos sobre importação é usar o módulo Comex, da Mainô. Trata-se de um sistema de gestão para importadoras que reúne várias funcionalidades muito importantes para empresas que trabalham com a importação de produtos — incluindo o cálculo automático de todos esses tributos.

Através da importação dos dados da DI, o sistema do Comex faz o rateio dos impostos e gera a Nota Fiscal de Entrada em poucos cliques. O Mainô é integrado com o gestor fiscal da IOB, mantendo assim as alíquotas de impostos dos produtos sempre atualizadas.

Você quer entender melhor como o Comex NF-e ajuda a sua empresa a calcular os impostos sobre importação e em diversas outras rotinas? Então visite a nossa página e conheça todas as funcionalidades do sistema.

Importação de autopeças: Tudo que você precisa saber

A importação de autopeças atrai a atenção de muitas empresas, mas também é um procedimento que desperta muitas dúvidas nos empreendedores. Será que esse realmente é um negócio rentável? E quais são as exigências legais que devem ser respeitadas nessas operações?

Segundo dados da Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores), o setor de autopeças mostrou um grande crescimento ao longo de 2017 – alcançando um aumento de 17% no faturamento líquido durante o primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2016.

É esse cenário positivo que atrai a atenção das empresas para esse segmento e gera o interesse pela importação de autopeças. Neste artigo veremos tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Confira.

Peças importadas vs nacionais: vantagens e desvantagens

A primeira dúvida que surge quando falamos sobre a importação de autopeças é: realmente vale a pena investir na importação ou é melhor apostar nas peças nacionais? Para ajudá-lo na sua análise, vamos destacar os principais pontos de vantagens e desvantagens:

  • Importar autopeças pode sair mais barato. Algumas peças importadas podem sair até 80% mais baratas do que as peças vendidas dentro do Brasil – gerando uma grande economia que se converte em lucro após a venda para o consumidor. 
  • É necessário dar atenção à burocracia da importação. Por outro lado, a importação de um produto requer grande atenção com impostos e burocracias que devem ser respeitadas ao longo do procedimento.
  • O mercado nacional é mais acessível. Se você busca por agilidade na obtenção das peças, o mercado nacional pode ser mais vantajoso. Afinal, a importação de um lote de autopeças pode levar um tempo maior para chegar ao Brasil e passar por toda a burocracia necessária.
  • Importação requer mais planejamento. Como consequência da burocracia que envolve a importação de autopeças, esse é um procedimento que requer uma dedicação maior ao planejamento para que a operação seja rentável.
  • Importar pode ser uma grande vantagem competitiva. Quando a importação acontece da melhor forma, a economia gerada na compra resulta em uma grande vantagem competitiva em relação aos concorrentes.

A burocracia envolvida na importação de autopeças

Conforme acabamos de ver, financeiramente a importação de autopeças pode ser bastante vantajosa. Entretanto, é preciso estar atento a toda a burocracia envolvida no processo – o que envolve o recolhimento de impostos específicos de importação.

  • Impostos e taxas: além de calcular o Imposto de Importação, também é necessário considerar os custos com ICMS, IOF, PIS e Cofins, conversão monetária, frete e outras taxas alfandegárias.
  • Nota fiscal: é obrigatória a emissão da nota fiscal de importação em todas as operações de entrada de mercadorias importadas no território nacional.Esse documento deve indicar as mercadorias, seus valores, o Código Fiscal de Operações (CFOP), impostos e taxas.
  • Incentivos fiscais: outro ponto que merece a atenção na importação de autopeças é a possibilidade de aproveitar incentivos fiscais. Um ótimo exemplo disso é a Resolução Camex n° 35/2016, que reduziu a alíquota do Imposto de Importação das autopeças não produzidas no Brasil e no Mercosul.

Importar em grandes quantidades: terceirizar ou fazer pela própria empresa?

Uma dúvida que surge sempre que falamos sobre a importação de autopeças é sobre a terceirização das compras de grandes quantidades de mercadorias. Existem empresas especializadas nesses procedimentos e a sua contratação diminui a preocupação da sua empresa com todos os procedimentos burocráticos envolvidos na compra.

Por outro lado, a opção pela terceirização pode elevar os custos envolvidos na importação de autopeças e reduzir uma parte do lucro que seria obtido com a economia da compra. Portanto, é preciso colocar os pontos positivos e negativos na balança para tomar a melhor decisão para o seu negócio.

Você já conhecia todas essas informações sobre a importação de autopeças? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!