Acordo Mercosul – UE: oportunidade para a importação

Encerrando duas décadas de deliberações, as negociações para a assinatura do Acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia foram finalizadas em junho desse ano. Essa conquista sinaliza não apenas o reaquecimento do bloco econômico sul-americano, que se encontrava estagnado já há alguns anos, como novos rumos para o bloco europeu após o Brexit (sinalização da saída do Reino Unido da união aduaneira). Mas como esse acordo pode movimentar a economia e promover novas oportunidades para o comércio exterior brasileiro? Primeiro é necessário compreender alguns fatores.

Números Gerais do acordo Mercosul-UE

Consistindo em 25% da economia mundial, o PIB somado do Mercosul e da União Europeia  chega ao patamar de US$ 20 trilhões, englobando um grande mercado consumidor de aproximadamente 780 milhões de pessoas. Além disso, é importante destacar que historicamente a União Europeia  é o segundo parceiro comercial do bloco sul-americano e o seu maior investidor. Apenas em 2017 o bloco europeu investiu mais de US$ 430 bilhões nos países do Mercosul. 

O acordo de livre comércio entre os blocos – que em 2018 somaram mais de US$ 900 bilhões em suas relações comerciais – tem o potencial de constituir uma das maiores áreas de livre comércio do mundo. Em linhas gerais, o acordo prevê a liberalização tarifária, em até dez anos, de 92% das exportações do Mercosul e 91% das exportações da União Europeia.

Oportunidades de Negócio para o Brasil

O acordo abre portas para oportunidades em diversos setores da economia, do agrícola ao industrial, mostrando-se benéfico tanto para os exportadores brasileiros de bens primários, que passarão a ter acesso facilitado, com algumas ressalvas, ao maior importador agrícola do mundo, quanto para os importadores brasileiros de produtos manufaturados da UE. Tendo em vista que as taxações brasileiras são superiores as da União Europeia – em 2017 a tarifa média ponderada brasileira consistiu em 8,6% contra  1,8% da UE – espera-se que os importados europeus entrem no mercado nacional com preços mais competitivos, estimulando a demanda dos consumidores.

No documento propõe-se a eliminação de 91% das tarifas do Mercosul referentes ao setor industrial, facilitando a importação de insumos, como maquinários industriais, grande demanda brasileira e essencial ao seu próprio desenvolvimento. Destaca-se que entre os bens mais importados pelo Brasil da UE estão os componentes industriais, como engrenagens, válvulas, peças automotivas, instrumentos de medição, além de químicos e outros. Em contrapartida, a indústria nacional também será beneficiada com a liberalização de 100% do comércio industrial pela União Europeia, em até 10 anos. 

Facilitação do comércio: desburocratização do comércio exterior

Visando diminuir os obstáculos ao livre comércio como um todo, o acordo estabelece ainda uma série de medidas referentes aos trâmites do comércio exterior que tornarão o processo de importação menos burocrático, mais rápido e com menor tributação. Dentre elas destacam-se: 

  • A permissão da acumulação bilateral de origem, uso de drawback e regimes de isenção nas exportações entre os blocos;
  • Priorização de processos eletrônicos nas operações aduaneiras, exaltando o compromisso com a revisão e melhora dos regulamentos e práticas de desembaraço aduaneiro;
  • Facilitação da admissão temporária de bens ;
  • Reconhecimento mútuo de Operadores Econômicos Autorizados (OEA), facilitando o controle das mercadorias que circulam entre os dois blocos;
  • Auto certificação de origem baseada em declaração do próprio exportador, em até 5 anos após ratificação do acordo.

A adoção dessas e outras medidas previstas pelo acordo, comprovam o compromisso dos dois blocos com a promoção de um ambiente comercial propício a geração de negócios, desenvolvimento econômico e benefícios mútuos. 

Próximos passos: oportunidades à vista

Após o anúncio do fim das negociações, o Acordo aguarda a assinatura do Mercosul e da União Europeia, cuja data para ratificação ainda será marcada. Assim que for aprovado prelos países do Mercosul e pelo Parlamento Europeu, o acordo já entra em vigor.

Mas como o acordo mercosul é benéfico para os importadores brasileiros?

  • Redução dos preços dos importados: o acordo prevê tarifa zero para 72% dos produtos importados da União Europeia. O vinho europeu, por exemplo, pode chegar a ter uma redução de até 30% do seu preço atual. Outros produtos, como veículos de passageiros, também apresentarão uma redução significativa de suas tarifas. Atualmente em 35%, em até 7 anos de vigência do acordo a tarifa dos veículos chegará a 18%, e será zero em até 15 anos.
  • Redução dos custos de importação: não apenas a liberalização das tarifas será benéfica para as importadoras, como também a já mencionada desburocratização, que possibilitará mais velocidade e menos custos nos trâmites aduaneiros, gerando maiores ganhos de produtividade para as empresas importadoras.
  • Movimentação da Economia: estima-se que com o acordo o PIB brasileiro ganhe um aumento de US$ 87,5 bilhões e de US$ 113 bilhões em investimentos no período de 15 anos. Falando da corrente comercial, é previsto que o montante de negócios chegue a R$ 1 trilhão no mesmo período.

O acordo impactará de forma muito positiva a economia brasileira e os empresários que souberem se beneficiar das oportunidades geradas poderão ter grandes ganhos nos próximos anos. E você? Já faz parte do comércio exterior? Possui interesse em abrir um negócio de importação, mas não sabe como?  Para te ajudar a se inserir no setor para aproveitar as novas oportunidades de negócio, preparamos uma palestra online e gratuita ensinando o passo a passo de como começar a importar. Cadastre-se neste link e garanta já a sua participação.

 

 

Antidumping: entenda esta polêmica taxa de importação

O que é taxa antidumping ou direito antidumping

Imagine que uma fábrica chinesa de canetas venda seu produto no mercado interno a US$0,17/un, mas quando a mesma empresa exporta este produto para o Brasil, o valor praticado é o de US$0,05/un. Esta prática de mercado é considerada “Dumping” que, de forma simplificada, pode ser definida assim:

Dumping = preço de exportação < preço no mercado interno

O caso acima não foi só um exemplo, é real e foi denunciado pela empresa BIC que produz canetas similares no Brasil e sentiu-se prejudicada pelo preço da mercadoria chinesa. A denúncia foi aceita e desde 2010 as canetas esferográficas de NCM 9608.10.00 importadas da China possuem uma taxa antidumping no valor de US$14,52/kg. 

Embora casos como esse necessitem de diversas provas para que se inicie uma investigação, as denúncias têm aumentado consideravelmente nos últimos anos, aliviando quem produz e preocupando quem importa. Afinal, se por um lado a taxação protege o fabricante nacional de produto similar e garante a ele competitividade interna, por outro, causa diversas polêmicas no comércio exterior. Tais divergências ocorrem porque ela acaba impedindo a atuação do livre mercado e a entrega de um preço menor para o consumidor final.

Como descobrir se um produto possui direito antidumping na importação

O direito antidumping é calculado sobre a margem de diferença entre os preços praticados. No caso retratado, a margem seria de US$0,12 pois esta é a diferença entre o valor do produto no país de origem (US$0,17) e o utilizado para exportar (US$0,05). Cabe lembrar que a denúncia pode ser aceita inclusive na prática de Drawback, onde há incentivo na importação de matérias primas para a produção de mercadorias a serem exportadas. 

Atualmente, quase 200 NCMs de 35 diferentes países sofrem algum tipo de sanção protetiva. Todo o processo de investigação e definição da taxa é conduzido e deliberado pela Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Em seu site, o Ministério disponibiliza uma lista completa das medidas em vigor por NCM e o país de origem, entre outras informações como a empresa peticionária e o período de vigência. 

Onde incluir a taxa antidumping na NF-e de Importação

Se você entendeu como a sobretaxa funciona, consultou a tabela acima e mesmo assim achou vantajoso trazer um desses produtos para o Brasil, seja porque a marca é mais renomada ou gostaria de trabalhar com um produto diferenciado, você precisa ficar atento à nota de importação. 

Essa atenção deve-se ao fato de não existir um consenso de onde o “direito antidumping” deve ser incluído. Em alguns estados, é possível considerá-lo na base de cálculo do ICMS, contudo esta prática é polêmica visto que o antidumping não possui cunho tributário e, legalmente, não se enquadraria nas despesas aduaneiras. Neste caso, cabe a você, importador, consultar a legislação do seu estado assim como a sua contabilidade antes de prosseguir com sua nota fiscal. 

Multa por não recolhimento da taxa

Por fim, é importante lembrar que a taxa ou direito antidumping deve ser recolhida/o no momento do registro da Declaração de Importação. Caso isso não ocorra, estão previstos os seguintes processos de multa segundo a Receita Federal:

a) a incidência de multa de mora, calculada à taxa de trinta e três centésimos por cento , por dia de atraso, a partir do primeiro dia subseqüente ao do registro da declaração de importação até o dia em que ocorrer o seu pagamento, limitada a vinte por cento; e

b) a incidência de juros de mora calculados à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia, para títulos federais, acumulada mensalmente, a partir do primeiro dia do mês subseqüente ao do registro da declaração de importação até o último dia do mês anterior ao do pagamento e de um por cento no mês do pagamento; e

II – no caso de exigência de ofício, de multa de setenta e cinco por cento e dos juros de mora referidos na alínea “b”.

(Para o texto completo, acesse esse link e siga para o Art. 717)

Cabe ressaltar que não existe pagamento retroativo da taxa antidumping caso você possua um produto que foi comprado antes da taxa ser fixada. Também é importante ter em mente que a taxa pode ser aplicada a um novo país caso seja constatado que há a prática de triangulação da mercadoria no comércio internacional ou a compra do produto em partes separadas. 

Portanto, manter a documentação de importação em dia é de suma importância para evitar multas e poder comprovar a origem do seu produto e as taxas e tributos que foram pagos. Para te ajudar a evitar erros na sua operação, criamos um checklist de documentos necessários para a importação que você pode baixar clicando aqui

Trabalha com importação? Conheça os serviços de Inspeção

Serviços de inspeção são serviços contratados pelo comprador onde uma empresa isenta (que não seja ligada ao ser fornecedor) vai enviar um funcionário ao fornecedor para checar alguns pontos de controle acordados. Uma empresa de inspeção profissional já tem um checklist criado a partir da sua própria experiência, mas você ainda pode personalizar e incluir novos pontos de controle.

Serviços de inspeção são muito importantes, especialmente para quem está começando a importar, ou quando inicia-se o trabalho com um fornecedor novo. Basicamente, servem para dar a certeza de que tudo o que foi negociado está sendo cumprido. Ele praticamente garante (nenhum serviço é 100% seguro) que as informações passadas pelos fornecedores são verídicas.

A inspeção substitui a visita presencial. Dependo do volume da importação, se você quiser fazer uma viagem pra China, é muito bom, mas também muito caro.

A inspeção pode ser feito de duas formas:

  • Empresas de auditoria ou inspeção profissional;
  • Freelancers ou pessoas de sua confiança.

Caso opte por realizar a inspeção com um freelancer, saiba que ele precisará receber mais informações sobre os pontos de controle. Geralmente estes possuem menor experiência. Numa inspeção profissional o relatório costuma ser melhor e mais detalhado.

Pontos de controle

Afinal, quais pontos de controle devem ser inspecionados? Vamos ao checklist:

  • Certificar-se que a fábrica existe (sim, golpistas existem);
  • A fábrica tem os registros e certificados padrões chineses para operar;
  • O número de funcionários compatível com a capacidade produtiva informada;
  • Possui maquinário compatível com a capacidade produtiva informada;
  • A fábrica é limpa e organizada;
  • Possui capacidade de produção e entrega;
  • O produto final atende às especificações técnicas;
  • Você ainda pode adicionar ao checklist padrão itens personalizados, como por exemplo: Possui clientes no Brasil.

Inspeções tradicionais x inspeções acreditadas

Como já percebemos, as inspeções tradicionais são realizadas basicamente para dar mais segurança ao comprador. Mas em alguns casos o órgão regulador brasileiro pode exigir um certificado de inspeção. Nesse caso, devemos utilizar inspeção acreditada.

Inspeção acreditada é quando o certificado de inspeção emitido pela prestadora do serviço serve como válido pelo órgão certificador no Brasil. Como o próprio nome sugere, nas inspeções acreditadas o órgão fiscalizador acredita no laudo do inspetor.

Por exemplo, se você vai importar brinquedos, o INMETRO já possui um padrão de pontos de controle que devem ser checados. Esses pontos são definidos pelo INMETRO, e não por você. Nesse caso, a prestadora de serviço que vai inspecionar, precisa emitir um certificado de acreditação do INMETRO brasileiro. Se você contratar uma empresa que não possui esse certificado, o INMETRO não acreditará no laudo dessa empresa.

Tipos de inspeção

Existem diversos tipos de inspeção que podem ser contratados. As mais comuns são:

Auditoria de fábrica: É a primeira auditoria e deve ser feita antes de enviar qualquer remessa de dinheiro ao fornecedor. Ela verifica itens de controle básicos, por exemplo: Se a fábrica existe, se possui todos os certificados, e se a documentação está em dia.

Dica: Pode ser que a fábrica não aceite a inspeção. Nesse caso, é melhor cancelar o negócio. Uma empresa profissional aceita inspeção, pois entende que é parte do processo. Se a fábrica pedir 30% antes de aceitar a auditoria, tenha quase certeza de que é uma fraude. Geralmente o fato de a fábrica aceitar a inspeção já implica em uma grande redução do risco da operação.

Inspeção pré-embarque: Nesse tipo, o inspetor verifica o seu lote de produto pronto (ou pelo menos 80% pronto). O objetivo é realizar testes técnicos, por exemplo, de espessura, gramatura, e outras especificações. Geralmente é feita antes de pagar os últimos 70% da fatura. As inspeções também podem tirar fotos, gravar vídeos do produto e até enviar uma amostra em via aérea para o Brasil.

Existem também outras inspeções não tão comuns. São elas:

Inspeção de carregamento: É uma inspeção importante, mas não muito utilizada. Serve para acompanhar a carga até o lacre do container. O objetivo é garantir que todas as caixas serão embarcadas corretamente. Como essa inspeção é feita quando a fatura já está liquidada, muita gente prefere não fazer. Acontece que quando a mercadoria é frágil ou quando as condições de transporte são importantes, pode ser necessário verificar como essa mercadoria está disposta no container para evitar surpresas desagradáveis.

Auditoria social: Essa é mais rara, mas considero muito importante para construção de uma marca sólida no mercado. É solicitada para saber se na cadeia de produção não há trabalho infantil, trabalho escravo ou análogo, como carga horária abusiva.

Inspeção de fabricação: É possível inspecionar o produto durante a fabricação. Não é muito usada para produção em lote, mas é muito útil para produção contínua. Se a fábrica sempre produz para você, essa inspeção é uma boa ferramenta para gestão da qualidade do produto.

Quanto custa uma inspeção?

Normalmente, um serviço de inspeção custa em torno de 300 dólares. Dependendo de alguns fatores pode variar, como o tipo de inspeção, a região onde a fábrica está localizada, e etc. Por isso, é importante sempre buscar mais de uma cotação.

Algumas empresas são bastante conhecidas inclusive é possível visualizar os valores e serviços em seu site. São elas:

Já realizou estes serviços em suas importações? Compartilhe sua experiência nos comentários.

Importação de autopeças: Tudo que você precisa saber

A importação de autopeças atrai a atenção de muitas empresas, mas também é um procedimento que desperta muitas dúvidas nos empreendedores. Será que esse realmente é um negócio rentável? E quais são as exigências legais que devem ser respeitadas nessas operações?

Segundo dados da Sindipeças (Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores), o setor de autopeças mostrou um grande crescimento ao longo de 2017 – alcançando um aumento de 17% no faturamento líquido durante o primeiro semestre em relação ao mesmo período de 2016.

É esse cenário positivo que atrai a atenção das empresas para esse segmento e gera o interesse pela importação de autopeças. Neste artigo veremos tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Confira.

Peças importadas vs nacionais: vantagens e desvantagens

A primeira dúvida que surge quando falamos sobre a importação de autopeças é: realmente vale a pena investir na importação ou é melhor apostar nas peças nacionais? Para ajudá-lo na sua análise, vamos destacar os principais pontos de vantagens e desvantagens:

  • Importar autopeças pode sair mais barato. Algumas peças importadas podem sair até 80% mais baratas do que as peças vendidas dentro do Brasil – gerando uma grande economia que se converte em lucro após a venda para o consumidor. 
  • É necessário dar atenção à burocracia da importação. Por outro lado, a importação de um produto requer grande atenção com impostos e burocracias que devem ser respeitadas ao longo do procedimento.
  • O mercado nacional é mais acessível. Se você busca por agilidade na obtenção das peças, o mercado nacional pode ser mais vantajoso. Afinal, a importação de um lote de autopeças pode levar um tempo maior para chegar ao Brasil e passar por toda a burocracia necessária.
  • Importação requer mais planejamento. Como consequência da burocracia que envolve a importação de autopeças, esse é um procedimento que requer uma dedicação maior ao planejamento para que a operação seja rentável.
  • Importar pode ser uma grande vantagem competitiva. Quando a importação acontece da melhor forma, a economia gerada na compra resulta em uma grande vantagem competitiva em relação aos concorrentes.

A burocracia envolvida na importação de autopeças

Conforme acabamos de ver, financeiramente a importação de autopeças pode ser bastante vantajosa. Entretanto, é preciso estar atento a toda a burocracia envolvida no processo – o que envolve o recolhimento de impostos específicos de importação.

  • Impostos e taxas: além de calcular o Imposto de Importação, também é necessário considerar os custos com ICMS, IOF, PIS e Cofins, conversão monetária, frete e outras taxas alfandegárias.
  • Nota fiscal: é obrigatória a emissão da nota fiscal de importação em todas as operações de entrada de mercadorias importadas no território nacional.Esse documento deve indicar as mercadorias, seus valores, o Código Fiscal de Operações (CFOP), impostos e taxas.
  • Incentivos fiscais: outro ponto que merece a atenção na importação de autopeças é a possibilidade de aproveitar incentivos fiscais. Um ótimo exemplo disso é a Resolução Camex n° 35/2016, que reduziu a alíquota do Imposto de Importação das autopeças não produzidas no Brasil e no Mercosul.

Importar em grandes quantidades: terceirizar ou fazer pela própria empresa?

Uma dúvida que surge sempre que falamos sobre a importação de autopeças é sobre a terceirização das compras de grandes quantidades de mercadorias. Existem empresas especializadas nesses procedimentos e a sua contratação diminui a preocupação da sua empresa com todos os procedimentos burocráticos envolvidos na compra.

Por outro lado, a opção pela terceirização pode elevar os custos envolvidos na importação de autopeças e reduzir uma parte do lucro que seria obtido com a economia da compra. Portanto, é preciso colocar os pontos positivos e negativos na balança para tomar a melhor decisão para o seu negócio.

Você já conhecia todas essas informações sobre a importação de autopeças? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

Guia de Operações de Câmbio na Importação e Exportação

Empresas que realizam importação e/ou exportação de serviços ou produtos, têm que se atentar a vários detalhes referentes ao envio ou recebimento das mercadorias. Além disso, o câmbio é um ponto bastante relevante nestes casos, pois influencia diretamente na legalidade do negócio, bem como na sua rentabilidade.


Os principais assuntos abordados no Guia de Operações de Câmbio na Importação e Exportação, são:

  • Pagamento e envio de recursos
  • Recebimento de recursos
  • Antecipação e compensação
  • Documentação

Esta é uma parceria entre a Mainô Sistemas e a Advanced Corretora e esse material foi preparado para quem atua no mercado de importação e/ou exportação, com algumas informações essenciais sobre câmbio.

Redução no imposto de importação para 4,9 mil produtos

O governo reduziu de 2% para zero as tarifas de Imposto de Importação para 4.903 máquinas, equipamentos e produtos de informática que não são fabricados no País. Eles serão usados em projetos de investimento que somam US$ 3,1 bilhões. “É de extrema importância reduzir o custo do investimento produtivo no Brasil para gerar mais empregos e estimular a retomada da economia”, disse, em nota, o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira.

O Brasil mantém, há muitos anos, um programa que reduz o custo de importação de equipamentos sem similar nacional, chamado ex-tarifário. Para ter acesso a essa redução, as empresas apresentam projetos e justificam a necessidade da compra do bem no exterior com tarifa reduzida, dada a inexistência de fabricação local. Com isso, a tarifa caía de 14%, na média, para um mínimo de 2%.

No mês passado, por proposta de Pereira, o conselho de ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex) decidiu reduzir os 2% para zero. “A alíquota de 2% tem impacto forte nos custos para o empresário, porque ainda tem outros tributos”, disse a secretária executiva da Camex, Marcela Santos Carvalho. “Essa é uma medida de desoneração de investimentos.”

A tarifa zero foi aplicada aos ex-tarifários concedidos desde 2016, cujos bens ainda não tenham sido internalizados. Esse prazo é necessário porque, após autorizada a importação com tarifa reduzida, o empresário tem dois anos para fazer a operação. A resolução da Camex não tem efeito retroativo.

Segundo Marcela, a redução da tarifa vai provocar uma renúncia fiscal de US$ 28 milhões. O cálculo parte do pressuposto de que todos os equipamentos beneficiados com o ex-tarifário desde o ano passado seriam internalizados. Por outro lado, observou a secretária, a medida ajuda a estimular decisões de investimento, uma vez que o custo foi reduzido. “No atual cenário, isso é sempre considerado”, comentou.

De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), dos produtos beneficiados com tarifa zero 4.552 são bens de capital e 351 são bens de informática e telecomunicações. “Serão beneficiadas importações de equipamentos para indústrias dos setores médico-hospitalar, autopeças, alimentício, eletroeletrônico e de embalagem, entre outros”, informa a pasta. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

3 Principais causas de multas no processo de importação

Importação não é para amadores. O que deveria ser apenas um processo de compra de mercadorias comum – onde a única diferença é que o fornecedor não se encontra no Brasil – pode ser na verdade uma grande dor de cabeça, se não forem tomados os devidos cuidados. Nesse artigo irei abordar as 3 causas de multas mais comuns no processo de importação. Ao final deste artigo você saberá não apenas quais são as causas, mas qual o tamanho do prejuízo caso elas ocorram e, principalmente, como evitá-las. Continue reading “3 Principais causas de multas no processo de importação”

3 passos para fazer uma gestão de estoque de sucesso

Uma gestão de estoque de sucesso se caracteriza pela maneira como a quantidade de produtos é gerenciada, fazendo com que não falte e também não sobre nada, de modo que sua empresa nunca fique com produtos parados em suas prateleiras, evitando um grande risco de prejuízo.

É importante analisar a demanda existente, mantendo seu estabelecimento abastecido de maneira ordenada, para que não se mantenha um estoque maior do que o necessário. Isso tudo sem perder, porém, toda a sua diversidade de produtos. Para te ajudar a entender melhor como funciona todo esse processo, selecionamos alguns pontos de grande relevância para uma gestão de estoque de sucesso. Confira:

Entenda a importância da gestão de estoque

Com o momento econômico e financeiro vivido atualmente pelo país, a atenção em relação ao controle de estoque das empresas é redobrada. Afinal, a falta de qualquer item nos pontos de venda pode ser extremamente prejudicial, causando a diminuição de suas vendas e podendo interferir até nos processos produtivos. Por isso, é importante estar atento ao tipo de gestão que vem sendo aplicada na sua empresa, a fim de controlar melhor seu estoque e, dessa maneira, poder garantir resultados satisfatórios.

Saiba como realizar uma gestão de estoque de sucesso

Um dos itens de maior relevância nessa gestão é o acompanhamento dos produtos que têm mais giro em suas prateleiras e daqueles que estão há muito tempo parados em seu estoque. Quando se tem mercadorias com mais saída do que outras, é preciso realizar uma projeção de atividades a fim de que a empresa consiga cumprir com os prazos de entrega. Por isso, é importante ter um histórico rotativo ou até mesmo diário de entrada e saída de mercadorias.

Fazendo uma relação sólida com base em todos os produtos em estoque, fica mais fácil minimizar a compra de produtos desnecessários, o que diminui os custos da empresa e foca apenas em produtos que terão mais rotatividade e que proporcionarão lucros mais rapidamente.

Mantenha a organização nas informações

É importante reforçar a necessidade de se manter a organização das informações por meio de profissionais capacitados para desenvolver essa tarefa. Dependendo do tamanho da empresa, será necessário ter uma pessoa que exerça especificamente essa função, e que se responsabilize tanto por manter o estoque em ordem quanto para realizar os pedidos de compra do que está em falta. Se houver necessidade de se manter mais funcionários nesse setor, eles deverão estar totalmente sincronizados.

É importante implementar algumas táticas que ajudam a manter uma boa gestão no controle de estoque:

  • Calcular a previsão de demanda;
  • Definir a quantidade de estoque;
  • Escolher o modelo de reposição;
  • Fazer uma avaliação do fornecedor e dos preços.

Encontre um software que atenda às necessidades da empresa

Verifique a demanda de sua empresa, tendo em vista o seu perfil e seu o tamanho. Uma planilha bem elaborada poderá atender às necessidades de uma empresa de pequeno porte. Já para aquelas um pouco maiores, o recomendado é investir em um software que proporcione uma relação mais clara dos produtos em estoque.

Faça uma pesquisa de mercado e invista de forma segura. Fique atento a essas dicas e coloque em prática a fim de melhorar os resultados de sua empresa!

 

NF-e de Importação: como calcular igual seu despachante?

Nesse artigo vamos falar um pouco sobre como se calcula uma NF-e de Importação. Antes de qualquer coisa, é importante entender duas siglas importantes no processo de importação. Vamos a elas:

VMLE (valor FOB)

Trata-se do Valor da Mercadoria no Local de Embarque. É o valor da mercadoria e outras despesas anteriores ao embarque. Também conhecido como valor FOB.

VMLD (valor CIF)

Trata-se do Valor da Mercadoria no Local de Descarga. É o valor do VMLE acrescido do frete e do seguro. Também conhecido como valor CIF.

Isso significa dizer que quando uma mercadoria sai do exterior o seu valor é o VMLE, ou valor FOB. No momento que ela chega em território nacional seu valor é o VMLD, ou valor CIF. Por exemplo, vamos supor que uma determinada mercadoria custou $2,00 a unidade. Foram importadas 2000 unidades e a taxa de câmbio fechou em 2,50 R$ / $. Então isso significa que o VMLE foi de:

VMLE = $2,00 por unidade * 2.000 unidades =

VMLE = $4.000,00

Convertendo para reais:

VMLE = $4.000,00 * 2.50 R$ / $ =

VMLE = R$10.000,00

Em seguida, vamos supor agora que o Frete + Seguro dessa mercadoria custou $1.000,00 ou, convertendo para real, R$ 2.500,00. Então o VMLD dessa mercadoria é:

VMLD = VMLE  + Frete + Seguro

VMLD = R$ 10.000,00 + R$ 2.500,00

VMLD = R$ 12.500,00.

A partir daí temos a base para calcular os outros impostos.

Obs: Todos os cálculos aqui demonstrados são os mesmos utilizados na planilha que auxilia no cálculo de NF-e de Importação, que disponibilizamos para download gratuitamente. Baixe agora!

Primeiro Passo: aprendendo a calcular os impostos da NF-e de Importação

1) IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

Base de cálculo: VMLD ou valor CIF

Ainda em nosso exemplo, vamos supor que o imposto de importação possui uma taxa de 20%. Logo:

BC II = R$ 12.500,00

II = 20% de R$ 12.500,00

II = R$ 2.500,00.

2) IPI

Base de Cálculo: Valor CIF + II

Seguindo nosso exemplo, temos:

BC IPI = CIF / VMLD + II

BC IPI = R$ 12.500,00 (CIF / VMLD) + R$ 2.500,00 (II)

BC IPI = R$ 15.000,00.

Supondo que o IPI possui taxa de 10%, logo o valor do IPI seria:

IPI = 10% de R$ 15.000,00

IPI = R$ 1.500,00.

3) PIS E COFINS

Base de Cálculo: Valor CIF

Vale lembrar que desde 08/10/2014 a base de cálculo do PIS e COFINS passou a ser apenas o valor aduaneiro, excluindo assim o ICMS, bem como as próprias alíquotas de PIS e COFINS.

Para efeito de exemplo, vamos supor que a alíquota do PIS é de 2% e a do COFINS é de 10%, totalizando 12%. Sendo assim, nossa base de cálculo seria:

BC PIS = BC COFINS = R$ 12.500,00 (CIF)

PIS = 2% de R$ 12.500,00

PIS = R$ 250,00

COFINS = 10% de R$ 12.500,00

COFINS = R$ 1250,00

4) ICMS

Finalmente, chegamos ao ICMS na importação. Sua base de cálculo é calculada da seguinte forma:

BC ICMS = CIF + II + IPI + PIS + COFINS + TX SISCOMEX + AFRMM (marinha mercante) + ICMS

Repare que o valor do ICMS compõe sua própria Base de Cálculo. Por isso, devemos calculá-lo de forma diferente. Ora, para calcular a base de cálculo do ICMS precisamos do valor do próprio ICMS. Mas para calcular o valor do imposto precisamos da sua base de cálculo. Como resolver?

Em nosso exemplo, vamos suporte que a Taxa do Siscomex seja R$ 400,00 e a AFRMM seja R$100,00. Para resolver esse problema vamos recorrer a matemática financeira. Para isso vamos montar a expressão:

BC ICMS = CIF + II + IPI + PIS + COFINS + TX SISCOMEX + AFRMM + ICMS

BC ICMS = R$ 12.5000 (CIF) + R$ 2.500,00 (II) + R$ 1.500,00 (IPI) + R$ 250,00 (PIS) + R$ 1.250,00 (COFINS) + R$ 400,00 (Siscomex) + R$ 100,00 (AFRMM) + ICMS

Temos então que:

BC ICMS = R$ 18.500,00 + ICMS.

Suponha que, nesse exemplo, o ICMS seja de 16%. Então, para calcular sua base de cálculo, fazemos:

BC ICMS = R$ 18.500,00 / (100% – 16%)

BC ICMS = R$ 18.500,00 / (84%)

BC ICMS = R$ 18.500,00 / (0,84)

BC ICMS = R$ 22.023,81

Agora calculamos o valor do ICMS:

ICMS = 16% de R$ 22.023,81

ICMS = R$ 3.523,81.

Podemos fazer a prova real agora:

BC ICMS = R$ 18.500,00 + ICMS

BC ICMS = R$ 18.500,00 + R$ 3.523,81

BC ICMS = R$ 22.023,81

E agora?

Pronto! Agora já sabemos calcular todos os impostos, exatamente da mesma forma que o despachante faz! É bom lembrar que muitas vezes existem taxas aduaneiras que são incluídas na base de cálculo do ICMS, juntamente com a taxa do SISCOMEX e AFRMM. Sempre peça para seu despachante detalhar na DI todas as taxas que são utilizadas na base de cálculo do ICMS, pois elas alteram o valor final da nota fiscal. Eventuais multas também são incluídas na base do ICMS.

Segundo Passo: aprendendo a calcular a NF-e de Importação

Agora que já sabemos calcular os impostos, fazer a Nota Fiscal Eletrônica é mais fácil, a não ser que você use o sistema da receita ou algum outro sistema que precise digitar a nota fiscal inteira manualmente, aí você vai ter trabalho. 🙂

Ao fazer a NF-e de Importação, não existe uma única forma correta, existe uma forma mais adotada e recomendada pelas fiscalizações aduaneiras. E é essa forma que vou ensinar para vocês agora.

1) VALOR DOS PRODUTOS

Antigamente utiliza-se o valor dos produtos igual a base de cálculo do IPI. Por isso, o valor dos produtos sera considerado CIF + II. Entretanto, cada vez mais o II vem sendo destacado no layout do DANFE. Sendo assim, temos utilizado no campo de valor dos produtos apenas o CIF.

2) II

Antigamente o campo II não deveria ser informado, justamente porque seu valor já era informado no valor dos produtos. Então é comum encontrar uma NF-e de Importação antiga sem valor de II. Entretanto, mais uma vez, cada vez mais o II vem sendo destacado no layout do DANFE. Então deve-se utilizar seu campo próprio.

3) IPI

Deve ser informado o Valor do IPI.

4) PIS

Deve ser informado o Valor do PIS.

5) COFINS

Deve ser informado o Valor do COFINS.

6) ICMS

Deve ser informado o Valor do ICMS.

7) OUTRAS DESPESAS ACESSÓRIAS

Deve ser informado o Valor do PIS + Valor do COFINS + Taxa do Siscomex + AFRMM. Nesse momento você deve estar em dúvida. Se o PIS e COFINS já estão em seus campos próprios, por que eles devem ser somados ao valor de outras despesas? Acontece que, na validação do valor total da nota fiscal que a receita federal faz, o PIS e COFINS não são considerados no total da NF-e de Importação. Por isso a necessidade de incluí-los em outras despesas acessórias.

* Obs: Caso existam outras taxas consideradas na base de cálculo do ICMS, devem ser acrescentadas neste campo.

8) VALOR TOTAL DA NF-E

Na importação, o valor da NF-e será:

Valor dos Produtos + Outras Despesas + IPI + ICMS.

Mas e o frete? Se o valor CIF já está considerando o frete, então ele já esta contido no valor dos produtos.

Terceiro Passo: automatizando tudo!

Achou complexo? Veja o lado positivo: o despachante aduaneiro já efetuou o cálculo de todos os impostos para você. Provavelmente, no momento da emissão da nota, os impostos já foram inclusive debitados da sua conta corrente. Não seria necessário calcular tudo novamente, se não fosse um simples fato:

“Na nota fiscal de importação os impostos precisam ser informados item a item, enquanto na DI eles vem agrupados por adição.” _Importador desesperado tentado emitir uma NF-e

No meu dia a dia lido com importadores que, muitas vezes, levam horas para emitir uma única nota fiscal. Em casos mais dramáticos, já vi importadores me confessarem que estavam a mais de uma semana tentando emitir a nota fiscal de importação, mas os valores nunca batiam. Isso ocorre por um único motivo: os sistemas que não são especializados em importação tentam calcular a nota fiscal como se ela fosse uma nota fiscal qualquer, sem se atentar as suas particularidades.

Por isso é importante que as empresas que trabalham com importação utilizem, em suas empresas, ERPs que possuam a funcionalidade de gerar a nota fiscal de importação a partir da importação do XML da Declaração de Importação. Essa simples funcionalidade pode reduzir o tempo de confecção de uma nota fiscal de dias para menos de 5 minutos, além de evitar erros, atrasos no processo e multas.

Conclusão

Pronto! Com esse conhecimento você já pode até desembaraçar uma Declaração de Importação e emitir a Nota Fiscal de Entrada. Nesse artigo revelamos todo conhecimento e inteligencia que está implementado em nosso software, o Comex NF-e. Caso queira saber mais sobre nosso sistema, acesse www.comexnfe.com.br ou clique aqui para iniciar uma conversa por Whatsapp e tirar dúvida com nossos consultores.