[Dicas do CEO] Despachantes aduaneiros “diferentes”

“Eduardo, os despachantes aduaneiros são os caras que registram a Declaração de Importação”. 

Será que é só isso mesmo?

Eduardo da Mainô aqui. Esse é o Dicas do CEO!

Segundo minhas contas, esse é o trigésimo nono post que eu envio.

E também o último.

Sim, estou precisando me dedicar a outros projetos. Preciso de um tempo…

Mas a boa notícia é que vou continuar postando, só que agora no meu Linkedin pessoal.

O primeiro assunto que vamos falar por lá é sobre como Despachantes aduaneiros estão se destacando em um mercado que se tornou tão comoditizado.

Em outro post aqui do blog falamos um pouco sobre este movimento,

este que certamente irá revolucionar a profissão, o despachante aduaneiro 4.0.

Despachantes aduaneiros

Sobre as dicas, elas agora terão uma frequência muito maior.

Pra testar esse novo formato,  o post já está disponível no meu perfil, como disse acima. Clique aqui para ler a dica.

Não esqueça de seguir meu perfil no Linkedin para continuar acessando as dicas.

Obrigado por estar junto conosco durante este tempo. O canal muda, mas as dicas não param.

Espero vocês por lá!

Despachante Aduaneiro 4.0: o futuro do Comex

Aconteceu no dia 26 de julho de 2019 no SINDAERJ, o movimento que certamente irá revolucionar o Comex. Com os olhos voltados para a inovação, utilização das novas tecnologias e um posicionamento consultivo nasce o Despachante Aduaneiro 4.0.

Comércio Exterior 4.0

Problemas como o excesso de burocracia e processos operacionais antiquados, estão deixando de fazer parte de diversos negócios, no Comex não seria diferente. Deste modo, as transformações vindas a partir da indústria 4.0 são as grandes  aliadas para a modernização e simplificação dos processos de comércio exterior. Marcadas pela automação, integração de dados e computação em nuvem, estas iniciativas fazem parte da crescente inovação e formam o Comex 4.0.

Antes as importadoras, exportadoras e distribuidoras, necessitavam de soluções para problemas do dia a dia do negócio, com a criação de startups para esse setor, hoje já vivenciam o impacto positivo dessas mudanças no setor. 

Despachante Aduaneiro 4.0: um agente de soluções

O Despachante aduaneiro é um agente fundamental para a implementação das mudanças que a tecnologia traz consigo. Portanto, se antes o seu papel era apenas fazer os “desembaraços” e realizar a burocracia que a empresa não deseja resolver, hoje os softwares de gestão e automatização dos processo, potencializam a atuação deste profissional no mercado de consultoria aduaneira, como foi declarado no evento. Confira as fotos neste link

Mesmo com a inovação tomando conta de todo o mercado,  ainda existem profissionais que não se atualizam.

O resultado disso é que estes profissionais dependem de força operacional, realizam tarefas manualmente, com potencial margem de erro.

Despachante Aduaneiro 4.0: consultores Aduaneiros

O Despachante Aduaneiro deve se tornar um consultor de processos de importação. Prevendo futuros problemas e resolvendo os gargalos da operação interna do cliente. Consequentemente, para quem enxerga oportunidades, a tecnologia é este elo de otimização entre o despachante aduaneiro e o cliente. Segundo Eduardo Ferreira, CEO da Mainô, as soluções tecnológicas auxiliam o profissional a desenvolver esse aspecto consultivo. Uma empresa que possui um ERP como o Mainô, em conjunto com seu despachante, consegue emitir uma nota fiscal de importação em apenas 2 minutos, o que normalmente é algo que levaria algumas horas. Desta forma, ela otimizará o tempo criando um ambiente mais produtivo e um negócio mais lucrativo. 

A Mainô, líder em soluções tecnológicas para empresas de Comex,  distribuidores e indústrias, apoiou diretamente o movimento. Em parceria com Célia Regina, Diretora da Worldgate Cargo e Presidente do Sindaerj e Carlos Araújo, Despachante Aduaneiro e fundador do comexblog, foi dado o pontapé inicial junto a essa nova visão latente em meio aos profissionais de despacho aduaneiro. 

Despachantes 4.0

O profissional que se atualiza utilizando a tecnologia amplia a forma que conduz seus processos. Da mesma forma, sistemas de gestão podem ser utilizados em outros setores da empresa. Vale muito conhecer soluções tecnológicas que entendem a evolução do Comex. 

Use a tecnologia a favor do seu negócio

Existem diversas opções de sistemas de gestão mas poucas focadas em comex. Por outro lado, problemas comuns vivenciados por empresas de Comex como a substituição tributária e a nota de importação podem ser resolvidos de forma rápida. Imagine o monitoramento das NCMs de mercadorias com notificações automáticas de todas as alterações tributárias e a emissão de uma NF-e de entrada de importação, em apenas 2 minutos? Certamente, com a tecnologia de softwares como o Mainô isso é possível. 

 

 

Acordo Mercosul – UE: oportunidade para a importação

Encerrando duas décadas de deliberações, as negociações para a assinatura do Acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia foram finalizadas em junho desse ano.

Essa conquista sinaliza não apenas o reaquecimento do bloco econômico sul-americano, que se encontrava estagnado já há alguns anos, como novos rumos para o bloco europeu após o Brexit (sinalização da saída do Reino Unido da união aduaneira). Mas como esse acordo pode movimentar a economia e promover novas oportunidades para o comércio exterior brasileiro? Primeiro é necessário compreender alguns fatores.

Números Gerais do acordo Mercosul-UE

Consistindo em 25% da economia mundial, o PIB somado do Mercosul e da União Europeia  chega ao patamar de US$ 20 trilhões, englobando um grande mercado consumidor de aproximadamente 780 milhões de pessoas. Além disso, é importante destacar que historicamente a União Europeia  é o segundo parceiro comercial do bloco sul-americano e o seu maior investidor. Apenas em 2017 o bloco europeu investiu mais de US$ 430 bilhões nos países do Mercosul. 

O acordo de livre comércio entre os blocos – que em 2018 somaram mais de US$ 900 bilhões em suas relações comerciais – tem o potencial de constituir uma das maiores áreas de livre comércio do mundo. Em linhas gerais, o acordo prevê a liberalização tarifária, em até dez anos, de 92% das exportações do Mercosul e 91% das exportações da União Europeia.

Oportunidades de Negócio para o Brasil

O acordo abre portas para oportunidades em diversos setores da economia, do agrícola ao industrial, mostrando-se benéfico tanto para os exportadores brasileiros de bens primários, que passarão a ter acesso facilitado, com algumas ressalvas, ao maior importador agrícola do mundo, quanto para os importadores brasileiros de produtos manufaturados da UE.

Tendo em vista que as taxações brasileiras são superiores as da União Europeia – em 2017 a tarifa média ponderada brasileira consistiu em 8,6% contra  1,8% da UE – espera-se que os importados europeus entrem no mercado nacional com preços mais competitivos, estimulando a demanda dos consumidores.

No documento propõe-se a eliminação de 91% das tarifas do Mercosul referentes ao setor industrial, facilitando a importação de insumos, como maquinários industriais, grande demanda brasileira e essencial ao seu próprio desenvolvimento.

Destaca-se que entre os bens mais importados pelo Brasil da UE estão os componentes industriais, como engrenagens, válvulas, peças automotivas, instrumentos de medição, além de químicos e outros. Em contrapartida, a indústria nacional também será beneficiada com a liberalização de 100% do comércio industrial pela União Europeia, em até 10 anos. 

Facilitação do comércio: desburocratização do comércio exterior

Visando diminuir os obstáculos ao livre comércio como um todo, o acordo estabelece ainda uma série de medidas referentes aos trâmites do comércio exterior que tornarão o processo de importação menos burocrático, mais rápido e com menor tributação. Dentre elas destacam-se: 

  • A permissão da acumulação bilateral de origem, uso de drawback e regimes de isenção nas exportações entre os blocos;
  • Priorização de processos eletrônicos nas operações aduaneiras, exaltando o compromisso com a revisão e melhora dos regulamentos e práticas de desembaraço aduaneiro;
  • Facilitação da admissão temporária de bens ;
  • Reconhecimento mútuo de Operadores Econômicos Autorizados (OEA), facilitando o controle das mercadorias que circulam entre os dois blocos;
  • Auto certificação de origem baseada em declaração do próprio exportador, em até 5 anos após ratificação do acordo.

A adoção dessas e outras medidas previstas pelo acordo, comprovam o compromisso dos dois blocos com a promoção de um ambiente comercial propício a geração de negócios, desenvolvimento econômico e benefícios mútuos. 

Próximos passos: oportunidades à vista

Após o anúncio do fim das negociações, o Acordo aguarda a assinatura do Mercosul e da União Europeia, cuja data para ratificação ainda será marcada. Assim que for aprovado prelos países do Mercosul e pelo Parlamento Europeu, o acordo já entra em vigor.

Mas como o acordo mercosul é benéfico para os importadores brasileiros?

  • Redução dos preços dos importados: o acordo prevê tarifa zero para 72% dos produtos importados da União Europeia. O vinho europeu, por exemplo, pode chegar a ter uma redução de até 30% do seu preço atual. Outros produtos, como veículos de passageiros, também apresentarão uma redução significativa de suas tarifas. Atualmente em 35%, em até 7 anos de vigência do acordo a tarifa dos veículos chegará a 18%, e será zero em até 15 anos.
  • Redução dos custos de importação: não apenas a liberalização das tarifas será benéfica para as importadoras, como também a já mencionada desburocratização, que possibilitará mais velocidade e menos custos nos trâmites aduaneiros, gerando maiores ganhos de produtividade para as empresas importadoras.
  • Movimentação da Economia: estima-se que com o acordo o PIB brasileiro ganhe um aumento de US$ 87,5 bilhões e de US$ 113 bilhões em investimentos no período de 15 anos. Falando da corrente comercial, é previsto que o montante de negócios chegue a R$ 1 trilhão no mesmo período.

O acordo impactará de forma muito positiva a economia brasileira e os empresários que souberem se beneficiar das oportunidades geradas poderão ter grandes ganhos nos próximos anos. E você? Já faz parte do comércio exterior? Possui interesse em abrir um negócio de importação, mas não sabe como?  Para te ajudar a se inserir no setor para aproveitar as novas oportunidades de negócio, preparamos uma palestra online e gratuita ensinando o passo a passo de como começar a importar. Nele você encontra informações sobre como:

– Criação de uma empresa importadora;
 – Como habilitar um radar;
 – Como encontrar fornecedores no exterior e muito mais.

Cadastre-se neste link e tenha acesso ao Webinário que realizamos com Eduardo Ferreira, CEO da Mainô e Carlos Araújo do Comexblog.

 

 

Como emitir uma NF-e de importação em 2 minutos?

“Eu pensava que o tempo era um ladrão, que roubava tudo o que eu amava, mas agora eu vejo que você (o tempo) dá antes de tomar…”

(Alice – trecho do filme Alice Através do Espelho)

Assim como Alice, você vai entender que o tempo não precisa ser o vilão!

Quando você pensa em trazer uma mercadoria do exterior, com certeza pensa em quais serão os custos desta aquisição, mas há um custo que muitas vezes é esquecido ou negligenciado: o tempo. 

Uma transação internacional demanda tempo de várias formas, na pesquisa, na negociação, no trânsito internacional. Porém, no Brasil, a burocracia é um dos maiores usurpadores de tempo para o importador. Existem obrigações que são exclusivas do importador e tem um grande peso, pois um pequeno erro pode gerar um impacto altamente nocivo aos negócios. Um grande exemplo é a nota de entrada de importação. Há empresas que pagam quantias altíssimas (como em armazenagem extra, por exemplo), apenas por demora na emissão da nota. Sem mencionar a possibilidade de multas de até 30% do valor da carga, por erro neste processo.

Se sua empresa adotou como modelo de importação a importação direta, terá esta demanda e isso tornará necessário um planejamento operacional para a emissão dela. Não faz diferença se sua empresa realiza importação marítima, importação aérea, ou até mesmo rodoviária, a emissão da nota fiscal de entrada de importação é obrigatória. Neste ponto você já sabe que  a nf-e de importação, em muitos casos, é complexa e de critérios rigorosos do ponto de vista tributário e fiscal. E sem as orientações e ferramentas corretas, pode se tornar o calcanhar de Aquiles da sua operação.

Então, o que faremos hoje é ajudar a sua empresa a vencer o “vilão do tempo” na emissão da nota de entrada de importação. Faremos isso em três passos: Planejamento, Ferramentas e Execução.

Passo 1: Planejamento

Você precisa se antecipar às etapas para estar preparado e saber como importar e o que é preciso para começar. Um bom planejamento, principalmente na parte burocrática do processo, pode evitar erros cometidos na importação e economizar tempo e dinheiro, além de evitar multas na importação. Há uma série de exigências a se cumprir, documentos a serem emitidos e obrigações fiscais a serem observadas. Por isso, é importante estar cercado de bons profissionais e ferramentas eficientes que possam conduzir o processo para que tudo ande bem e dentro dos prazos.

Antes da chegada da carga, faça uma pesquisa específica sobre como fazer uma NF-e de importação. Existem algumas dúvidas frequentes sobre ela nas quais você, provavelmente, irá esbarrar.

Saiba quais são impostos de importação e como calcular. Isso evitará que você sofra com multas e reduzirá o tempo de emissão da nota. Consulte um tributarista ou até mesmo sua contabilidade. É sempre melhor recorrer às contabilidades que são especializadas em comércio exterior, não dificilmente, as notas de entrada de importação trazem cálculos complexos ou que dão margem a interpretações errôneas para quem não tem experiência com este tipo de movimentação fiscal. Em algumas ocasiões, por exemplo, existe substituição tributária na importação e isso causa espanto e dúvidas na emissão da nota. Outro causador de dúvidas é a taxa da Marinha Mercante (AFRMM), muitos se perguntam se o cálculo do ICMS na importação deve ou não incluir a taxa da marinha mercante. É importante que estas e outras questões já estejam resolvidas quando for a hora de emitir sua nota de entrada de importação.

Passo 2: Ferramentas

Depois que as primeiras etapas forem concluídas e o despacho aduaneiro for feito, seu despachante enviará a declaração de importação (DI), que será basicamente o espelho da sua nota de entrada de importação. Você precisará então de ferramentas para emitir sua nota, com as ferramentas erradas o custo da operação tende a aumentar, mas com as ferramentas certas você pode maximizar seu lucro.
O grande desafio na emissão da nota é na hora de executar os cálculos, rateios e fazer a transmissão para a SEFAZ. É necessária uma ferramenta de comunicação com a receita, além da ferramenta para realizar os cálculos da nota.

Aqui estão as ferramentas mais utilizadas:

Sistemas de Gestão: Existem softwares privados, contratados para emissão fiscal, mas a grande maioria deles não está preparada para a nota de entrada de importação, não tem as parametrizações necessárias, ou não “sabem” fazer os cálculos envolvidos na tributação. Por ainda ter uma expressão relativamente pequena no mercado, o importador sofre com a escassez de ferramentas que atentem para os detalhes cruciais nas operações do comércio exterior. Com isso, muitas empresas que já possuem sua gestão organizada em um sistema, acabam sofrendo com a morosidade ou deficiência na emissão da nota de entrada de importação. E em alguns casos chegam a ter prejuízos por conta de erros e/ou demora na emissão da nota.

Emissor gratuito da Receita: A ferramenta de emissão gratuita para a nf-e de importação, oferecida pelo Estado, vem sendo descontinuada gradativamente e tem apresentado erros persistentes, segundo relatos recorrentes de seus ex-usuários. Outra dificuldade desta ferramenta é a alta carga de digitação necessária que abre margem para erro humano e torna o processo ainda mais lento. Já atendemos empresas que levaram (pasmem!) 15 dias para concluir a emissão de uma nota nesta ferramenta. E ainda tiveram problemas com erro nos cálculos finais.

Planilhas: Muitos usam planilhas para fazer os cálculos, elas são boas, mas ainda deixam uma grande margem para erros de digitação e cálculo, além de deixarem o processo ainda mais moroso.

planilha-de-calculo-de-nf-e-importacao

“Espelho da Nota”: Alguns despachantes enviam um “espelho da nota” em TXT ou EXCEL, como ferramenta de auxílio ao importador. Ele serve como norte para conferência de cálculos e rateios.

Sistemas de Nicho – A boa notícia é que existem no mercado softwares específicos para o importador, os chamados sistemas de nicho, que são softwares de gestão para importação. Além de atender as demandas comuns de gestão, eles ainda são especializados nos detalhes de rotina do comércio exterior. Estes sistemas possuem os parâmetros e cálculos necessários para emissão da nota de entrada de importação (alguns também para exportação). Eles reduzem o tempo e a margem de erro na emissão da nota em até 95%, aproximadamente. 

Passo 3: Execução

Esta é a “hora da verdade”! Você já tem as informações necessárias e escolheu as ferramentas mais adequadas. Agora a atenção será o principal fator. Não esqueça de fazer uma prévia da Danfe antes de transmitir para a receita, para verificar se os cálculos estão corretos. As ferramentas escolhidas determinarão o tempo que será gasto para concluir a emissão da nota.

Se você tem um sistema de nicho, não encontrará dificuldades.

Aqui na Mainô a nota de entrada de importação é emitida pelo Comex NF-e, o sistema de nicho onde você vai emitir sua nota em 2 minutos!

Assim:
Acesse www.maino.com.br/comexnfe, vá em Operações – Declaração de Importação, é só importar o arquivo xml da DI (que seu despachante te enviou) e sua nota ficará pronta em dois minutos!

Nada de cálculos, nada de planilhas, nada de horas de digitação! Você faz em 2 minutos o que outros levam dias! Isso porque a tecnologia do Comex NF-e importa do arquivo xml, todos os dados para emissão da nota e já possui toda a inteligência e parametrização necessárias para gerar sua nota de forma correta. 

Assim, com alguns cliques sua nota está pronta para ser transmitida para a Receita e validada por ela. E você ainda conta com o suporte e treinamento oferecidos por nossa equipe técnica especializada.
Além de tudo isso o sistema é completamente integrado e alimentará as próximas etapas da sua gestão (movimentação de estoque, financeiro, vendas, fiscal, clientes e fornecedores) de forma automática a medida em que as operações forem executadas.

Quer saber mais? Clique aqui e faça um teste gratuito! 

Agora o tempo não será mais um vilão. 😉

Até a próxima!

Trabalha com importação? Conheça os serviços de Inspeção

Serviços de inspeção são serviços contratados pelo comprador onde uma empresa isenta (que não seja ligada ao ser fornecedor) vai enviar um funcionário ao fornecedor para checar alguns pontos de controle acordados. Uma empresa de inspeção profissional já tem um checklist criado a partir da sua própria experiência, mas você ainda pode personalizar e incluir novos pontos de controle.

Serviços de inspeção são muito importantes, especialmente para quem está começando a importar, ou quando inicia-se o trabalho com um fornecedor novo. Basicamente, servem para dar a certeza de que tudo o que foi negociado está sendo cumprido. Ele praticamente garante (nenhum serviço é 100% seguro) que as informações passadas pelos fornecedores são verídicas.

A inspeção substitui a visita presencial. Dependo do volume da importação, se você quiser fazer uma viagem pra China, é muito bom, mas também muito caro.

A inspeção pode ser feito de duas formas:

  • Empresas de auditoria ou inspeção profissional;
  • Freelancers ou pessoas de sua confiança.

Caso opte por realizar a inspeção com um freelancer, saiba que ele precisará receber mais informações sobre os pontos de controle. Geralmente estes possuem menor experiência. Numa inspeção profissional o relatório costuma ser melhor e mais detalhado.

Pontos de controle

Afinal, quais pontos de controle devem ser inspecionados? Vamos ao checklist:

  • Certificar-se que a fábrica existe (sim, golpistas existem);
  • A fábrica tem os registros e certificados padrões chineses para operar;
  • O número de funcionários compatível com a capacidade produtiva informada;
  • Possui maquinário compatível com a capacidade produtiva informada;
  • A fábrica é limpa e organizada;
  • Possui capacidade de produção e entrega;
  • O produto final atende às especificações técnicas;
  • Você ainda pode adicionar ao checklist padrão itens personalizados, como por exemplo: Possui clientes no Brasil.

Inspeções tradicionais x inspeções acreditadas

Como já percebemos, as inspeções tradicionais são realizadas basicamente para dar mais segurança ao comprador. Mas em alguns casos o órgão regulador brasileiro pode exigir um certificado de inspeção. Nesse caso, devemos utilizar inspeção acreditada.

Inspeção acreditada é quando o certificado de inspeção emitido pela prestadora do serviço serve como válido pelo órgão certificador no Brasil. Como o próprio nome sugere, nas inspeções acreditadas o órgão fiscalizador acredita no laudo do inspetor.

Por exemplo, se você vai importar brinquedos, o INMETRO já possui um padrão de pontos de controle que devem ser checados. Esses pontos são definidos pelo INMETRO, e não por você. Nesse caso, a prestadora de serviço que vai inspecionar, precisa emitir um certificado de acreditação do INMETRO brasileiro. Se você contratar uma empresa que não possui esse certificado, o INMETRO não acreditará no laudo dessa empresa.

Tipos de inspeção

Existem diversos tipos de inspeção que podem ser contratados. As mais comuns são:

Auditoria de fábrica: É a primeira auditoria e deve ser feita antes de enviar qualquer remessa de dinheiro ao fornecedor. Ela verifica itens de controle básicos, por exemplo: Se a fábrica existe, se possui todos os certificados, e se a documentação está em dia.

Dica: Pode ser que a fábrica não aceite a inspeção. Nesse caso, é melhor cancelar o negócio. Uma empresa profissional aceita inspeção, pois entende que é parte do processo. Se a fábrica pedir 30% antes de aceitar a auditoria, tenha quase certeza de que é uma fraude. Geralmente o fato de a fábrica aceitar a inspeção já implica em uma grande redução do risco da operação.

Inspeção pré-embarque: Nesse tipo, o inspetor verifica o seu lote de produto pronto (ou pelo menos 80% pronto). O objetivo é realizar testes técnicos, por exemplo, de espessura, gramatura, e outras especificações. Geralmente é feita antes de pagar os últimos 70% da fatura. As inspeções também podem tirar fotos, gravar vídeos do produto e até enviar uma amostra em via aérea para o Brasil.

Existem também outras inspeções não tão comuns. São elas:

Inspeção de carregamento: É uma inspeção importante, mas não muito utilizada. Serve para acompanhar a carga até o lacre do container. O objetivo é garantir que todas as caixas serão embarcadas corretamente. Como essa inspeção é feita quando a fatura já está liquidada, muita gente prefere não fazer. Acontece que quando a mercadoria é frágil ou quando as condições de transporte são importantes, pode ser necessário verificar como essa mercadoria está disposta no container para evitar surpresas desagradáveis.

Auditoria social: Essa é mais rara, mas considero muito importante para construção de uma marca sólida no mercado. É solicitada para saber se na cadeia de produção não há trabalho infantil, trabalho escravo ou análogo, como carga horária abusiva.

Inspeção de fabricação: É possível inspecionar o produto durante a fabricação. Não é muito usada para produção em lote, mas é muito útil para produção contínua. Se a fábrica sempre produz para você, essa inspeção é uma boa ferramenta para gestão da qualidade do produto.

Quanto custa uma inspeção?

Normalmente, um serviço de inspeção custa em torno de 300 dólares. Dependendo de alguns fatores pode variar, como o tipo de inspeção, a região onde a fábrica está localizada, e etc. Por isso, é importante sempre buscar mais de uma cotação.

Algumas empresas são bastante conhecidas inclusive é possível visualizar os valores e serviços em seu site. São elas:

Já realizou estes serviços em suas importações? Compartilhe sua experiência nos comentários.

Radar na Importação: Habilitação para empresas de Comex

O RADAR, também conhecido como Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros, é o sistema da Receita Federal que permite que empresas possam importar e exportar. Ou seja, é a habilitação no radar que vai tornar sua empresa uma importadora e/ou exportadora.

Para requisitar o RADAR é necessário preencher o formulário de solicitação da receita federal e entregá-lo na unidade da receita federal mais próxima, juntamente com os seguintes documentos:

  • SODEA – Formulário de Solicitação de Dossiê Digital de Atendimento com firma reconhecida de acordo com o modelo da Receita Federal;
  • Requerimento de Habilitação com firma reconhecida de acordo com o modelo da Receita Federal;
  • Termo de Responsabilidade com firma reconhecida de acordo com o modelo da Receita Federal;
  • Contrato social e últimas alterações;
  • Cópia autenticada do CPF e RG do responsável legal;
  • Certidão Cadastral da Junta Comercial;
  • Certidão Simplificada da Junta Comercial (Ficha cadastral simplificada);
  • Certidão negativa de débitos (referente a tributos federais, dívida ativa da união e débitos trabalhistas);
  • É necessário possuir um certificado digital da empresa.

 Também podem ser solicitados os seguintes documentos adicionais:

  • Alvará de funcionamento;
  • IPTU do último ano;
  • Contrato de locação do imóvel da empresa;
  • Cópia da conta de energia elétrica ou telefone com nome e endereço da empresa;
  • Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF), conforme estabelecido no art. 3º da Instrução Normativa SRF nº 583/05 (ReceitaNet).

Basicamente, dentre os critérios de decisão para concessão ou não do RADAR (exceto o expresso), a receita vai analisar as seguintes informações no pedido da habilitação:

  • Estrutura física compatível com a operação;
  • Capacidade financeira da empresa.

É importante saber que empresas com pendências com o fisco terão o Radar negado. Caso a empresa tenha impostos refinanciados, estes não serão impeditivos para aquisição do Radar.

Durante o processo de concessão do radar, a capacidade financeira da sua empresa será analisada. É uma forma de controle da Receita Federal para saber quem pode importar e quem não pode.

Muitas vezes o contador pode fazer sua habilitação no radar, pois ele já tem a sua documentação na mão. É importante ter um contador experiente em comércio exterior.

Uma vez sua empresa habilitada no radar, você deverá fazer o registro no SISCOMEX, o sistema da receita que controla todo comércio exterior no Brasil. Quem opera o SISCOMEX é o despachante aduaneiro. É ele quem vai registrar todos os dados da sua importação. Na importação formal é obrigatório ter um despachante aduaneiro.

A norma que trata do radar é a IN1603 http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?idAto=70354.

Antes de enviar os arquivos para a Receita Federal através do portal e-CAC, é preciso renomeá-los. Isso serve para manter o padrão dos documentos e realizar o upload dos mesmos. Sem os nomes corretos o processo será indeferido.

Veja abaixo os nomes dos documentos:

documentos-habilitaçao-radar

Tipos de habilitação

Existem basicamente 3 tipos de habilitação de RADAR:

  • Expressa até 50 mil dólares (VMLD) num período de 6 meses
  • Limitada até 150 mil dólares (VMLD) num período de 6 meses
  • Ilimitada acima de 150 mil dólares (VMLD) num período de 6 meses

Dificilmente uma empresa que nunca importou vai conseguir RADAR ilimitado. A dica é começar pela habilitação expressa que é mais fácil de ser conseguida e, se precisar, solicitar a revisão do radar para limitada ou ilimitada.

Lembrando que só é possível importar sem o radar nas importações simplificadas. Os valores são limitados até U$ 3.000,00, a importação deve ser via courier (DHL, FEDEX) e os produtos não podem requerer licença de importação específica.

Aumentando o limite do Radar

É muito comum (inclusive recomendo) que uma empresa comece com Radar expresso e evolua para limitado e, por fim, ilimitado. Isso inclusive ajuda na obtenção do radar ilimitado, pois a empresa vai, aos poucos, demonstrando capacidade operacional e financeira para a Receita Federal.

Nesse caso, é necessário realizar um novo requerimento de habilitação mas, dessa vez, selecionando a opção “Revisão de Estimativa”.

Este artigo foi útil para você? Deixe o seu comentário! 

 

DUIMP: Saiba tudo sobre essa nova obrigação acessória

A Declaração Única de Importação Duimp – entrou em vigor no último mês de outubro, marcando o início de um novo processo de importação. As alterações propostas pela Duimp incluem mudanças administrativas e procedimentais capazes de tornar todo o processo muito mais rápido e eficiente. Continue reading “DUIMP: Saiba tudo sobre essa nova obrigação acessória”

Como importar: o que é preciso para começar?

Quer saber como importar? Para importar, uma empresa precisa elaborar um plano de negócios consistente e estar preparada para investir um dinheiro considerável na compra das mercadorias que deseja revender. Além disso, deve buscar fornecedores aliados com a sua estratégia de negócios. Complicado? Nem tanto. Continue reading “Como importar: o que é preciso para começar?”

DUIMP: tudo sobre a Declaração Única de Importação

Você sabia que uma nova obrigação acessória entrou em vigor no último mês de outubro? A partir de agora, todas as empresas brasileiras que trabalham com comércio exterior devem ficar atentas às recentes mudanças que ocorreram no processo de importação com a criação dessa nova obrigação, a chamada Declaração Única de Importação – Duimp. Continue reading “DUIMP: tudo sobre a Declaração Única de Importação”

Multas na importação: Como evitá-las?

Olá! Quando você vai a um espetáculo, ou a um show, espera chegar lá e ver os técnicos ainda trabalhando na montagem dos equipamentos? Espera que os artistas ainda estejam ensaiando ou buscando informações sobre o que fazer? Claro que não! Você espera encontrar um lindo espetáculo, que faça valer o valor investido nas entradas.

Pois seu processo de importação funciona como um show! Você precisa fazer toda a preparação com a mesma disciplina e antecedência que um grande show exigiria, porque quando sua carga chegar, será a grande hora e tudo tem que estar em perfeita ordem, para fazer valer o investimento feito e não gerar prejuízos.

A multa na importação pode ir de 1% à 30% do valor da carga, pode comprometer toda sua estrutura financeira, sua licença de importação. E, acredite, na grande maioria dos casos são geradas por erros que poderiam ser evitados com medidas simples. Mas, a boa notícia é que a preparação do processo, se feita de forma correta e com a devida antecedência, pode reduzir em até 90% as chances de erros que gerem multas no seu processo.

É consenso entre a grande maioria dos profissionais que atuam na importação, que as principais causas de multas na importação estão diretamente ligadas a ausência de planejamento. Seja por urgência na aquisição dos produtos, inexperiência, ou despreparo do importador, o fato é que a falta de planejamento ou um planejamento mal feito, traz grandes chances de prejuízo a operação, principalmente com multas.

Então, como preparar sua operação para a “hora do show”? As dicas a seguir podem ser um roteiro prático.

Planejamento e preparação para uma importação digna da Broadway:

Você precisa montar o espetáculo antes de vender os ingressos!

Defina corretamente a classificação fiscal (NCM): Antes mesmo de iniciar a aquisição do produto é importante buscar sua classificação fiscal. O erro de classificação fiscal é provavelmente o campeão de geração de multas. É importante descrever o mais detalhadamente possível, de maneira clara e que não deixe margens para erro de interpretação, para que na conferência física não haja incompatibilidades, o que pode levar ao canal vermelho.

O ensaio antes do show, ajusta o que está fora do ponto.

Faça uma Pesquisa de Tratamento Administrativo antes de embarcar a carga, pois tudo precisa estar no ponto certo quando ela chegar. Então é você quem deve saber o que será necessário (licença de importação, registros de órgãos específicos, etiquetas obrigatórias, etc…)

Checar os instrumentos é fundamental e dever do músico que o toca.

Análise documental na importação é dever do importador, ele é quem deve conferir os documentos antes mesmo do embarque pois o andamento na aduana em território nacional também será sua responsabilidade. Um entrave por falta de conferência nos documentos, pode gerar atraso e ocasionar multas. Coisas como falta de assinatura, informações incompletas, erros de digitação e etc, podem comprometer toda a operação. A ausência da INVOICE também é um fator comum para multas, tenha sempre o original com você, não faça uso de cópias.

Veja também: DUIMP: Tudo sobre a declaração única de importação

O bom espetáculo começa na sua montagem e se conclui na dispersão eficiente e segura do público.

Cuide dos menores detalhes do processo. Faça levantamento de custos, fique atento a questões documentais, priorize as questões fiscais. A logística também precisa ser considerada.

Os melhores profissionais, fazem o melhor espetáculo!

Esteja cercado dos melhores, peça ajuda, busque consultores, consulte seu despachante antes de dar início ao processo. Se ainda não tiver experiência na importação ou não tiver tempo suficiente para todo o planejamento, opte por importar através de uma trading. A operação terá maior segurança.

Veja também: 7 estratégias para fazer uma empresa de importação crescer

Antes de abrir as cortinas tenha todo o equipamento pronto e testado!

Ferramentas auxiliares do processo fazem toda a diferença, busque ter sempre uma estrutura pronta para agilizar a liberação da carga, mas sem abrir mão da segurança fiscal. É comum erros na emissão da nota, por interpretação fiscal errônea ou falha de digitação, e estes também podem ocasionar multas. Consulte sempre seu contador, procure ferramentas especializadas na emissão da nota de importação, evite digitação excessiva, minimize as divergências de dados entre a nota fiscal de entrada de importação e a Declaração de Importação (DI), sua nota deve ser praticamente espelho da DI.

Conheça: Case de sucesso na Importação – H3 Trading

Agora é hora de abrir as cortinas. Vá e dê um show de importação!

Até a próxima!