Despachante Aduaneiro 4.0: o futuro do Comex

Aconteceu no dia 26 de julho de 2019 no SINDAERJ, o movimento que certamente irá revolucionar o Comex. Com os olhos voltados para a inovação, utilização das novas tecnologias e um posicionamento consultivo nasce o Despachante Aduaneiro 4.0.

Comércio Exterior 4.0

Problemas como o excesso de burocracia e processos operacionais antiquados, estão deixando de fazer parte de diversos negócios, no Comex não seria diferente. Deste modo, as transformações vindas a partir da indústria 4.0 são as grandes  aliadas para a modernização e simplificação dos processos de comércio exterior. Marcadas pela automação, integração de dados e computação em nuvem, estas iniciativas fazem parte da crescente inovação e formam o Comex 4.0.

Antes as importadoras, exportadoras e distribuidoras, necessitavam de soluções para problemas do dia a dia do negócio, com a criação de startups para esse setor, hoje já vivenciam o impacto positivo dessas mudanças no setor. 

Despachante Aduaneiro 4.0: um agente de soluções

O Despachante aduaneiro é um agente fundamental para a implementação das mudanças que a tecnologia traz consigo. Portanto, se antes o seu papel era apenas fazer os “desembaraços” e realizar a burocracia que a empresa não deseja resolver, hoje os softwares de gestão e automatização dos processo, potencializam a atuação deste profissional no mercado de consultoria aduaneira, como foi declarado no evento. Confira as fotos neste link

Mesmo com a inovação tomando conta de todo o mercado,  ainda existem profissionais que não se atualizam.

O resultado disso é que estes profissionais dependem de força operacional, realizam tarefas manualmente, com potencial margem de erro.

Despachante Aduaneiro 4.0: consultores Aduaneiros

O Despachante Aduaneiro deve se tornar um consultor de processos de importação. Prevendo futuros problemas e resolvendo os gargalos da operação interna do cliente. Consequentemente, para quem enxerga oportunidades, a tecnologia é este elo de otimização entre o despachante aduaneiro e o cliente. Segundo Eduardo Ferreira, CEO da Mainô, as soluções tecnológicas auxiliam o profissional a desenvolver esse aspecto consultivo. Uma empresa que possui um ERP como o Mainô, em conjunto com seu despachante, consegue emitir uma nota fiscal de importação em apenas 2 minutos, o que normalmente é algo que levaria algumas horas. Desta forma, ela otimizará o tempo criando um ambiente mais produtivo e um negócio mais lucrativo. 

A Mainô, líder em soluções tecnológicas para empresas de Comex,  distribuidores e indústrias, apoiou diretamente o movimento. Em parceria com Célia Regina, Diretora da Worldgate Cargo e Presidente do Sindaerj e Carlos Araújo, Despachante Aduaneiro e fundador do comexblog, foi dado o pontapé inicial junto a essa nova visão latente em meio aos profissionais de despacho aduaneiro. 

Despachantes 4.0

O profissional que se atualiza utilizando a tecnologia amplia a forma que conduz seus processos. Da mesma forma, sistemas de gestão podem ser utilizados em outros setores da empresa. Vale muito conhecer soluções tecnológicas que entendem a evolução do Comex. 

Use a tecnologia a favor do seu negócio

Existem diversas opções de sistemas de gestão mas poucas focadas em comex. Por outro lado, problemas comuns vivenciados por empresas de Comex como a substituição tributária e a nota de importação podem ser resolvidos de forma rápida. Imagine o monitoramento das NCMs de mercadorias com notificações automáticas de todas as alterações tributárias e a emissão de uma NF-e de entrada de importação, em apenas 2 minutos? Certamente, com a tecnologia de softwares como o Mainô isso é possível. 

 

 

Como emitir uma NF-e de importação em 2 minutos?

“Eu pensava que o tempo era um ladrão, que roubava tudo o que eu amava, mas agora eu vejo que você (o tempo) dá antes de tomar…”

(Alice – trecho do filme Alice Através do Espelho)

Assim como Alice, você vai entender que o tempo não precisa ser o vilão!

Quando você pensa em trazer uma mercadoria do exterior, com certeza pensa em quais serão os custos desta aquisição, mas há um custo que muitas vezes é esquecido ou negligenciado: o tempo. 

Uma transação internacional demanda tempo de várias formas, na pesquisa, na negociação, no trânsito internacional. Porém, no Brasil, a burocracia é um dos maiores usurpadores de tempo para o importador. Existem obrigações que são exclusivas do importador e tem um grande peso, pois um pequeno erro pode gerar um impacto altamente nocivo aos negócios. Um grande exemplo é a nota de entrada de importação. Há empresas que pagam quantias altíssimas (como em armazenagem extra, por exemplo), apenas por demora na emissão da nota. Sem mencionar a possibilidade de multas de até 30% do valor da carga, por erro neste processo.

Se sua empresa adotou como modelo de importação a importação direta, terá esta demanda e isso tornará necessário um planejamento operacional para a emissão dela. Não faz diferença se sua empresa realiza importação marítima, importação aérea, ou até mesmo rodoviária, a emissão da nota fiscal de entrada de importação é obrigatória. Neste ponto você já sabe que  a nf-e de importação, em muitos casos, é complexa e de critérios rigorosos do ponto de vista tributário e fiscal. E sem as orientações e ferramentas corretas, pode se tornar o calcanhar de Aquiles da sua operação.

Então, o que faremos hoje é ajudar a sua empresa a vencer o “vilão do tempo” na emissão da nota de entrada de importação. Faremos isso em três passos: Planejamento, Ferramentas e Execução.

Passo 1: Planejamento

Você precisa se antecipar às etapas para estar preparado e saber como importar e o que é preciso para começar. Um bom planejamento, principalmente na parte burocrática do processo, pode evitar erros cometidos na importação e economizar tempo e dinheiro, além de evitar multas na importação. Há uma série de exigências a se cumprir, documentos a serem emitidos e obrigações fiscais a serem observadas. Por isso, é importante estar cercado de bons profissionais e ferramentas eficientes que possam conduzir o processo para que tudo ande bem e dentro dos prazos.

Antes da chegada da carga, faça uma pesquisa específica sobre como fazer uma NF-e de importação. Existem algumas dúvidas frequentes sobre ela nas quais você, provavelmente, irá esbarrar.

Saiba quais são impostos de importação e como calcular. Isso evitará que você sofra com multas e reduzirá o tempo de emissão da nota. Consulte um tributarista ou até mesmo sua contabilidade. É sempre melhor recorrer às contabilidades que são especializadas em comércio exterior, não dificilmente, as notas de entrada de importação trazem cálculos complexos ou que dão margem a interpretações errôneas para quem não tem experiência com este tipo de movimentação fiscal. Em algumas ocasiões, por exemplo, existe substituição tributária na importação e isso causa espanto e dúvidas na emissão da nota. Outro causador de dúvidas é a taxa da Marinha Mercante (AFRMM), muitos se perguntam se o cálculo do ICMS na importação deve ou não incluir a taxa da marinha mercante. É importante que estas e outras questões já estejam resolvidas quando for a hora de emitir sua nota de entrada de importação.

Passo 2: Ferramentas

Depois que as primeiras etapas forem concluídas e o despacho aduaneiro for feito, seu despachante enviará a declaração de importação (DI), que será basicamente o espelho da sua nota de entrada de importação. Você precisará então de ferramentas para emitir sua nota, com as ferramentas erradas o custo da operação tende a aumentar, mas com as ferramentas certas você pode maximizar seu lucro.
O grande desafio na emissão da nota é na hora de executar os cálculos, rateios e fazer a transmissão para a SEFAZ. É necessária uma ferramenta de comunicação com a receita, além da ferramenta para realizar os cálculos da nota.

Aqui estão as ferramentas mais utilizadas:

Sistemas de Gestão: Existem softwares privados, contratados para emissão fiscal, mas a grande maioria deles não está preparada para a nota de entrada de importação, não tem as parametrizações necessárias, ou não “sabem” fazer os cálculos envolvidos na tributação. Por ainda ter uma expressão relativamente pequena no mercado, o importador sofre com a escassez de ferramentas que atentem para os detalhes cruciais nas operações do comércio exterior. Com isso, muitas empresas que já possuem sua gestão organizada em um sistema, acabam sofrendo com a morosidade ou deficiência na emissão da nota de entrada de importação. E em alguns casos chegam a ter prejuízos por conta de erros e/ou demora na emissão da nota.

Emissor gratuito da Receita: A ferramenta de emissão gratuita para a nf-e de importação, oferecida pelo Estado, vem sendo descontinuada gradativamente e tem apresentado erros persistentes, segundo relatos recorrentes de seus ex-usuários. Outra dificuldade desta ferramenta é a alta carga de digitação necessária que abre margem para erro humano e torna o processo ainda mais lento. Já atendemos empresas que levaram (pasmem!) 15 dias para concluir a emissão de uma nota nesta ferramenta. E ainda tiveram problemas com erro nos cálculos finais.

Planilhas: Muitos usam planilhas para fazer os cálculos, elas são boas, mas ainda deixam uma grande margem para erros de digitação e cálculo, além de deixarem o processo ainda mais moroso.

planilha-de-calculo-de-nf-e-importacao

“Espelho da Nota”: Alguns despachantes enviam um “espelho da nota” em TXT ou EXCEL, como ferramenta de auxílio ao importador. Ele serve como norte para conferência de cálculos e rateios.

Sistemas de Nicho – A boa notícia é que existem no mercado softwares específicos para o importador, os chamados sistemas de nicho, que são softwares de gestão para importação. Além de atender as demandas comuns de gestão, eles ainda são especializados nos detalhes de rotina do comércio exterior. Estes sistemas possuem os parâmetros e cálculos necessários para emissão da nota de entrada de importação (alguns também para exportação). Eles reduzem o tempo e a margem de erro na emissão da nota em até 95%, aproximadamente. 

Passo 3: Execução

Esta é a “hora da verdade”! Você já tem as informações necessárias e escolheu as ferramentas mais adequadas. Agora a atenção será o principal fator. Não esqueça de fazer uma prévia da Danfe antes de transmitir para a receita, para verificar se os cálculos estão corretos. As ferramentas escolhidas determinarão o tempo que será gasto para concluir a emissão da nota.

Se você tem um sistema de nicho, não encontrará dificuldades.

Aqui na Mainô a nota de entrada de importação é emitida pelo Comex NF-e, o sistema de nicho onde você vai emitir sua nota em 2 minutos!

Assim:
Acesse www.maino.com.br/comexnfe, vá em Operações – Declaração de Importação, é só importar o arquivo xml da DI (que seu despachante te enviou) e sua nota ficará pronta em dois minutos!

Nada de cálculos, nada de planilhas, nada de horas de digitação! Você faz em 2 minutos o que outros levam dias! Isso porque a tecnologia do Comex NF-e importa do arquivo xml, todos os dados para emissão da nota e já possui toda a inteligência e parametrização necessárias para gerar sua nota de forma correta. 

Assim, com alguns cliques sua nota está pronta para ser transmitida para a Receita e validada por ela. E você ainda conta com o suporte e treinamento oferecidos por nossa equipe técnica especializada.
Além de tudo isso o sistema é completamente integrado e alimentará as próximas etapas da sua gestão (movimentação de estoque, financeiro, vendas, fiscal, clientes e fornecedores) de forma automática a medida em que as operações forem executadas.

Quer saber mais? Clique aqui e faça um teste gratuito! 

Agora o tempo não será mais um vilão. 😉

Até a próxima!

Nota Fiscal Avulsa: O que é e como emitir?

A nota fiscal avulsa (NFA-e) é um documento emitido para micro e pequenas empresas que não têm autorização ou acesso à emissão de documentos fiscais como a Nota Fiscal eletrônica (NF-e). Trata-se de uma solução muito explorada pelas empresas e profissionais que realizam operações de venda com a necessidade de documento fiscal com pouca frequência.

Um Microempreendedor Individual que costuma comercializar os seus produtos apenas para o consumidor final não é obrigado a emitir nota fiscal. Nas situações ocasionais em que é feita uma venda para uma pessoa jurídica, pode ser exigido o documento fiscal. É nesses casos que a nota fiscal avulsa se torna necessária.

Porém, esse é um assunto que levanta muitas dúvidas por conta de suas particularidades. Neste artigo veremos o que é e como emitir a nota fiscal avulsa. Acompanhe.

O que é a nota fiscal avulsa?

A nota fiscal avulsa é um documento fiscal emitido individualmente em ocasiões de venda de produtos ou serviços. A sua emissão pode ser feita tanto em papel quanto formato eletrônico, assim como a nota fiscal eletrônica.

Os campos que devem ser preenchidos na emissão do documento são muito semelhantes aos da nota fiscal tradicional (modelo 1, 1-A ou 55). A principal diferença está nas características do emissor, que estão limitados a profissionais ou empresas que não estão obrigados a emitir a nota fiscal eletrônica:

  • Pessoa física não contribuinte, artesão e profissional autônomo.
  • Microempreendedor Individual – MEI.
  • Empresas públicas, repartições públicas, inclusive autarquias e fundações públicas.
  • Pessoas jurídicas que possuem CNPJ, mas não a Inscrição Estadual.
  • Produtor rural que atua como pessoa física.

Como emitir a nota fiscal avulsa?

A emissão de uma nota fiscal avulsa pode parecer complexa para empresas que ainda não encararam esse procedimento. Porém, nós preparamos um passo a passo que vai ajudá-lo a dominar essa rotina:

1. Informe-se na Secretaria da Fazenda do seu estado

O primeiro passo para a emissão da nota fiscal avulsa é buscar informações na Secretaria da Fazenda do seu estado. A autoridade tributária estadual tem poder para estabelecer requisitos próprios para a emissão do documento. Ou seja, cada estado possui exigências diferentes para solicitar e emitir a nota fiscal avulsa.

2. Reúna a documentação necessária

Mesmo com diferenças entre um estado e outro, os documentos necessários para realizar o cadastro para emissão da nota fiscal avulsa costumam ser os seguintes:

Para pessoas físicas:

  • Documento de identidade ou outro com a mesma equivalência.
  • CPF – Comprovante de Inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas.
  • Comprovante de residência.

Para pessoas jurídicas:

  • CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas.
  • Número da inscrição no CF – Cadastro Fiscal.
  • Documento de identidade ou equivalente.

3. Solicite a nota fiscal avulsa

Depois de feito o cadastro, você está apto para emitir a nota fiscal avulsa. Geralmente, esse é um procedimento que pode ser realizado pela internet através de uma plataforma própria da Secretaria da Fazenda Estadual ou Municipal.

4. Insira todas as informações sobre a operação

Assim como acontece na emissão de uma nota fiscal eletrônica, é necessário inserir diversos dados essenciais: identificação das partes envolvidas na operação, descrição dos produtos ou serviço, CNAE, valores unitários e total, destaque dos tributos recolhidos, entre outras.

5. Faça a impressão do documento

Depois de concluído o processo e autorizada a nota fiscal, será preciso fazer a impressão do documento. O armazenamento da nota fiscal avulsa deve ser feita em formato impresso e deve seguir o prazo mínimo de 5 anos de guarda.

Você já conhecia essas informações sobre a nota fiscal avulsa? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

NFe denegada: o que é e como resolver?

Você já teve que lidar com uma NFe denegada? Esse erro na emissão da Nota Fiscal Eletrônica deixa muitos empresários confusos e gera diversas dúvidas. Por que uma nota fiscal é denegada? Quais são as consequências desse erro? E quais são as melhores formas de evitar esse problema?

A situação da NFe denegada ocorre quando a Secretaria da Fazenda (SEFAZ) identifica irregularidades fiscais por parte do emissor ou do destinatário do documento fiscal. Ou seja, trata-se de uma situação em que existem erros na sua empresa ou no seu cliente e é necessário identificá-los para resolver a questão.

Neste artigo entenderemos melhor o que é a NFe denegada e como você pode resolver esse problema. Confira.

O que é uma NFe denegada?

Uma NFe denegada é uma nota fiscal que não foi aprovada pelo Sefaz por conta de irregularidades fiscais em alguma das empresas envolvidas na operação. Entretanto, você só fica sabendo dessa notificação após o preenchimento do documento, no momento em que tenta autorizar a sua emissão.

A denegação é o status final da NFe. Após recebida essa notificação, não é mais possível fazer qualquer alteração ou reutilizar a nota fiscal. Nesses casos, o cancelamento acontece automaticamente, mas o documento fiscal deve ser registrado pela contabilidade e guardado pelo prazo de cinco anos.

Os objetivos buscados pela Sefaz com a denegação de uma NFe são:

  • Redução da concorrência desleal.
  • Maior controle sobre as operações intra e interestaduais.
  • Combate a sonegação de impostos.

Quando uma NFe é denegada?

Conforme já vimos, são as irregularidades fiscais que dão origem a uma NFe denegada. Geralmente, elas estão relacionadas à Inscrição Estadual suspensa, cancelada, em processo de baixa ou baixada.

Porém, podem existir outros casos de irregularidades que levam à denegação de uma Nota Fiscal Eletrônica. A Secretaria de Fazenda de cada estado tem autonomia para regular esses critérios, mas a regra geral é que qualquer irregularidade no CNPJ da empresa irá impedir a autorização da nota fiscal.

Diferença entre NFe denegada e NFe rejeitada

Tanto na NFe denegada quanto na NFe rejeitada ocorre uma rejeição no momento da autorização da emissão do documento pela Secretaria da Fazenda. Entretanto, os motivos que levam a esse impedimento são diferentes.

Segundo o Manual de Integração – Contribuinte, existem apenas três casos que levam à denegação da NFe:

  • Erro 301 – Denegação: IE do emitente em situação irregular perante o Fisco.
  • Erro 302 – Denegação: IE do destinatário em situação irregular perante o Fisco.
  • Erro 303 – Denegação: Destinatário não habilitado a operar na UF.

Já a rejeição de NFe pode ocorrer em quase 600 possibilidades diferentes, incluindo erros no cadastro do destinatário, erros de tributação, falta de detalhes sobre os produtos comercializados, entre outros.

Como solucionar esse problema?

A melhor forma para solucionar problemas com NFe denegada e evitar que o problema volte a acontecer é muito simples: garantir que a sua empresa esteja regularizada na Secretaria da Fazenda do seu estado. Ao eliminar as chances de irregularidades da sua empresa, basta ficar atento ao cadastro dos seus clientes.

>> Baixe aqui o Kit de Emissão de Notas Fiscais + Bônus I + Bônus II

No momento em que você tem uma NFe denegada, você pode fazer uma consulta sobre a situação da sua empresa e também da empresa destinatária do documento fiscal. Com base nisso, é possível adotar medidas para corrigir as irregularidades e fazer uma nova emissão da nota fiscal depois de resolvido o problema.

Você já conhecia as particularidades da NFe denegada? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?

Se você trabalha em uma empresa que possui filiais conhece importância da emissão de NF-e de transferência. Embora seu preenchimento seja relativamente simples, há ocasiões em que podem surgir questionamentos e dúvidas.

Geralmente os empresários, quando iniciam as operações com filiais, tendem a achar que, por se tratar da mesma empresa, não é preciso emitir nota fiscal ao movimentar mercadorias entre elas. Entretanto, é importante ressaltar que, para o governo, cada estabelecimento do mesmo titular é um estabelecimento autônomo, conforme a Lei Complementar nº 87/1996 (Lei Kandir), Art. 11, 3º:

II – é autônomo cada estabelecimento do mesmo titular;

Sendo assim, é preciso que cada estabelecimento, de forma independente, tenha documentos fiscais que justifiquem a entrada e saída de mercadorias. A NF-e de transferência é o documento que garante que toda a movimentação de produto (física ou fiscal) seja acompanhada de nota fiscal, evitando assim problemas futuros como multas.

Se você necessita movimentar mercadorias entre matriz e filial e emitir NF-e de transferência, leia este artigo e não seja pego de surpresa nas fiscalizações.

Continue reading “NF-e de Transferência para Filial: Como emitir?”

Tributação na Importação: Redução no Paraná e Santa Catarina

Quem trabalha com Comércio Exterior deve ficar de olho no Paraná e em Santa Catarina. São estados que têm os menores custos de tributação sobre os serviços de importação do país. A vantagem fiscal é considerável e reflete na redução de custos, fluxo de caixa e na competitividade das vendas.

Para efeitos de comparação, em São Paulo, o ICMS sobre o desembaraço aduaneiro, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestações de Serviços (ICMS), gira em torno de 20%. O cenário é totalmente diferente em Santa Catarina. O estado definiu regimes especiais que possibilitam a redução da base de cálculos dos impostos referentes à importação, há também o crédito presumindo que faz com que Santa Catarina tenha a menor taxa tributária do país seguido do Paraná, que também oferece vantagens competitivas para importar através de seus portos.

Incentivo fiscal na importação no Paraná e Santa Catarina

O principal segredo para tributar menos em terras catarinenses é o benefício fiscal adotado pelo estado chamado Tratamento Tributário Diferenciado (TTD) que, durante a transação e solicitação do pedido de concessão ao fisco pode trazer vantagens como redução do ICMS.  Especificamente o TTD 409 possibilita ao importador reivindicar pela não cobrança da tarifa cheia de ICMS e que seja recolhido apenas um percentual obrigatório de garantia ao fisco catarinense, que pode variar de 0,6% a 2,6%, dependendo dos produtos importados.

Já no Paraná, os empresários devem ficar atentos às importações acontecerem via os portos de Paranaguá e Antonina. Nesses casos o benefício fiscal é incorporado ao TTD, só que o imposto recolhido é de 6% de ICMS nas importações.

planilha de cálculo de nf-e de importação

Simulação de economia no processo de importação

Para ilustrar melhor esses benefícios, criamos uma situação hipotética de uma importação com valor VMLD de R$ 100.000,00. Observe a tabela comparativa abaixo:

O valor do ICMS hipotético foi calculado pela maior taxa de ICMS de cada estado (8,6% para o Paraná e 2,6% para Santa Catarina), enquanto o valor do IPI hipotético foi calculado com uma taxa de 10% para todos os estados. O valor de Outras Despesas consiste no somatório de PIS, Cofins e a Taxa do Siscomex. Os valores de PIS e COFINS hipotéticos foram calculados pelas alíquotas de empresas no regime de lucro real ( PIS = 1,65% e COFINS = 7,6%) e a taxa do Siscomex com o valor de 1 adição (R$ 214,50).

Nesta simulação fica evidente a vantagem de realizar-se uma importação via SC frente a SP, onde o valor final da NF-e é 12,48% menor, enquanto o valor do ICMS é 87% menor. A vantagem competitiva é extremamente significativa!

Veja também >> PIS e COFINS na Importação: Como recuperar impostos

O Comex NF-e está preparado para atender importadores que querem se beneficiar dos regimes diferenciados do PR e SC

Para facilitar o dia a dia das operações, com o Comex NF-e os importadores não precisam se preocupar com todas essas nuances tributárias na emissão da nota fiscal, podendo usufruir das vantagens fiscais oferecidas pelos estados de Santa Catarina e Paraná.

Com apoio da nossa equipe de implantação, configuramos o sistema para empresas que possuem tributações diferenciadas e, a partir daí, todas as NF-es já são criadas seguindo estes parâmetros. O resultado é facilidade na emissão das NF-es, mesmo usufruindo de um benefício tributário complexo, pois o Comex NF-e torna os processos mais ágeis e elimina erros de cálculos, reduzindo eventuais custos operacionais correlatos e permitindo que o empresário se concentre no que é importante para ele: gerir sua empresa, gerar novos negócios e buscar novas oportunidades!

Você ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Entre em contato com nossos especialistas!

Tributação importação e redução