Top 5 Influenciadores do Comex pra seguir no linkedin

O Comex mudou! Com inovações tecnológicas e ferramentas digitais,  muitos profissionais do setor vivenciaram um divisor de águas em suas carreiras. Veja como alguns deles utilizaram a transformação digital para se diferenciar da concorrência, aumentar significantemente o seu impacto e porque você deve seguí-los imediatamente na maior rede profissional do mundo, o Linkedin. Leia este artigo até o final!

Top 5 influenciadores do Comex pra seguir no linkedin

Estas personalidades compartilham, diariamente, seus conhecimentos e vivências no mundo corporativo. Por isso, se tornaram referências no Linkedin. Dentre os diversos assuntos estão empreendedorismo, novas tecnologias e inovação no setor de comércio exterior. Através desta rede, eles publicam artigos e vídeos com grande engajamento entre os usuários da plataforma.

Neste artigo você conhecerá os maiores influenciadores que através desta transformação digital aumentaram o seu impacto e também criam todos os dias mais oportunidades de negócio.

Autoridade digital no comex

A transformação digital já atingiu grande parte dos setores da economia nacional e no setor de Comex não seria diferente. Os grandes players do mercado já estão adequando a sua forma de fazer negócio e de se comunicar com os seus clientes. Afinal de contas em um universo de informação como se destacar no mercado? Ganhar autoridade no meio digital? aumentar o impacto de sua mensagem? Se comunicar diretamente com seu público criando proximidade? Um mix de todos esses fatores é o que leva aos profissionais do Comex 4.0 se destacarem e sair na frente da concorrência.

 Nós separamos 5 influenciadores do comex da atualidade. Cada um com sua característica e especialidade, seguem ampliando uma mensagem de um setor de comex mais ágil, inteligente e tecnológico.

Vamos lá aos 5 profissionais mais relevantes do Comex na Atualidade!

1 – LEONARDO SCHMIDT

Sócio e Head Comercial da Interfreight Logistics

Empreendendo a mais de 13 anos, Leonardo possui vasta experiência em vendas, planejamento e gestão de operações de comércio exterior, logística internacional, assessoria aduaneira e liderança comercial para prospecção e vendas.  Atualmente ele aborda o tema “Comex 360°”. O seu objetivo é ajudar profissionais a fortalecerem a sua visão estratégica em temas como compras e logística internacional, gestão de custos, seguro, despacho aduaneiro, SISCOSERV, exportação e etc. Vale a pena ler o último artigo postado por ele através deste link.

Linkedin

2 – CARLOS ARAÚJO

CEO e Fundador do comexblog.com

Há quase três décadas no comércio exterior, Carlos é especialista em procedimentos aduaneiros e seu escritório já conectou os caminhos da internacionalização para mais de 133 empresas.  Seu principal lema “Desburocratizar o comércio exterior para empresas”. 

Carlos se destaca pela forma que utilizou ferramentas do meio digital para criar novas oportunidades no setor de Comex. Criou o Comexblog onde até hoje distribui conteúdo de excelente qualidade em diversas plataformas digitais. Do despacho aduaneiro a educação continuada, fornece treinamentos e mais de 1300 alunos já passaram pelo Comexblog. 

Linkedin

3- HÉLIO MEIRIM

CEO da HRM Logística e Coordenador da Comissão de Logística do Conselho Regional de Administração – RJ

Helio atua há mais de 20 anos no Brasil e no exterior em cargos executivos de empresas nos segmentos de Operadores Logísticos, Transportadores, Varejo, E-Commerce, Indústria Farmacêutica, Alimentícia, Siderúrgica, Química e Agrobusiness.

Além disso atua como mentor de negócios e agrega muito valor a quem acompanha seu conteúdo. Se você deseja conteúdo de qualidade em inovação, novas tendências para logística e muito mais, acompanhe!

Linkedin

4- Jonas Vieira

Jonas tem se diferenciado com seu conteúdo sobre  sobre comércio exterior de forma bem humorada e sem muitas formalidades. Seu conteúdo além de muito rico é um material leve para ser consumido por seus leitores.

Possui mais de 11 anos atuando no setor de comércio exterior, hoje no setor químico, também é palestrante e escritor.

Leia o artigo “Causo de importação” Vale muito a pena!

Linkedin 

5 -Eduardo Ferreira

CEO da Mainô Sistemas

Eduardo é formado em Ciência da Computação pela UFRJ, pós graduado na PUC em Gerência de Projetos e Software. Em 2007 fundou a Mainô na Incubadora da Empresas da COPPE. Atualmente é CEO da empresa, a qual é uma importante condutora da inovação e tecnologia no setor de Comex. 

Através do seu linkedin compartilha desafios e aprendizados de uma jornada de mais de 10 anos atuando com empreendedores.  Seu principal lema é a automatização de processos e aumento da produtividade para empresas de comércio.

O artigo com mais alcance é o que fala sobre a emissão da nota fiscal de importação em apenas 2 minutos. Quebrando diversos paradigmas burocráticos segue inovando e agregando valor para negócios de comércio exterior.
Cada um em suas especialidades, estas personalidades seguem ajudando empreendedores a se desenvolverem, consequentemente, movimentando a economia do setor e trazendo novas soluções que englobam o Comex 4.0.

Uma grande oportunidade para o Comex

Com certeza seria uma grande oportunidade estar com alguns destes nomes em uma experiência de troca e aprendizado. Isso é totalmente possível!
No dia 17 de outubro de 2019  grande parte destes influenciadores estarão discutindo essas novas tendências do setor no
Mainô Business Conference, o MBC. Este é o maior evento de comércio exterior do Brasil. Este evento será dividido em diversos painéis, workshops e palestras completas será um marco para o setor de comex

Se você ainda não garantiu o seu ingressos, estão sendo divulgadas as últimas vagas.

O que é manifestação do destinatário?

Em tempos de mundo conectado a segurança online é primordial. A possibilidade de se negociar com pessoas e empresas de qualquer parte do mundo permite expandir o seu empreendimento. No entanto, isso diminui o controle sobre as informações do seu negócio que podem ser usadas da maneira errada por indivíduos mal-intencionados e resultar em alguns problemas para você.

Pensando em se adaptar a esse contexto de informatização foi que o governo brasileiro criou o projeto SPED, o qual visa dar maior segurança eletrônica aos seus contribuintes. E para se adaptar a esse contexto foi criada a manifestação do destinatário.

O que é manifestação do destinatário?

Sem a manifestação do destinatário qualquer empresa pode emitir notas fiscais para o seu CNPJ. E isso pode ter impactos muito negativos para a sua empresa como, por exemplo, cair na malha fina do governo ao realizar o cruzamento das informações acessórias dos contribuintes.

Ela também é conhecida pela sigla MD-e, e permite que o destinatário possa confirmar, ou não, sua participação em uma determinada operação.

Embora muitas empresas ainda possam optar em aderir à MD-e, aquelas que se enquadram em alguma das situações abaixo estão obrigadas à realizar a manifestação do destinatário ao receber suas notas:

  • Operações com álcool cuja utilização tenha fins não combustíveis, conforme ajuste Sinief 4, que foi publicado no Diário Oficial da União em 21 de março de 2014.
  • Empresas do ramo de combustíveis, e aqui devem ser incluídas revendedoras, distribuidoras, postos que trabalham com revenda a retalho.
  • Atacadistas ou distribuidores que trabalham com cigarros, bebidas alcoólicas, refrigerantes ou água mineral.
  • Todas as notas fiscais cujo valor ultrapasse o limite de R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Salienta-se que a obrigatoriedade da MD-e dá-se para as NF-es que acobertem as operações com os itens citados acima (combustíveis, lubrificantes – derivados ou não de petróleo, álcool, cigarros, etc).

A finalidade da manifestação do destinatário

Essa é mais uma prática instituída pelo governo que visa proporcionar mais segurança aos seus contribuintes. Principalmente devido a essa nova realidade que está sendo implantada pelo fisco devido ao projeto de digitalização e informatização de seus processos.

Com a manifestação do destinatário fica muito mais fácil impedir emissão de notas fiscais fraudulentas. Ela também ajuda a identificar com mais facilidade crimes de lavagem de dinheiro, já que o documento só poderá ser emitido caso haja aceite de ambas as partes.

Você já pensou as complicações que podem acontecer caso sua empresa caia na malha fina devido a má-fé de terceiros?

Conheça os tipos de manifestação do destinatário

Nas situações em que é necessária a manifestação do destinatário ela pode se dar das seguinte maneiras:

  • Ciência da emissão: nela o contribuinte informa que sabe que a nota fiscal foi emitida para o seu CNPJ, embora não seja confirmação de que a operação aconteceu.
  • Confirmação da operação: aqui o cliente confirma que existiu a operação e a mercadoria foi recebida. Após haver a confirmação, não existe mais a possibilidade de o documento fiscal ser cancelado.
  • Operação não realizada: os casos mais comuns que podem ensejar nessa manifestação do destinatário são aqueles em que a mercadoria não é entregue (devido a acidentes, avarias durante o transporte) ou se foi entregue outro produto que não o solicitado.
  • Desconhecimento da operação: essa opção é escolhida quando a empresa não realizou a negociação que está sendo acobertada pelo documento fiscal. É também uma forma que o contribuinte tem de se proteger de futuros débitos tributários decorrente de fraudes realizadas por terceiros.

A manifestação de destinatário eletrônica é um procedimento realizado no ambiente virtual e pode ser feita através de uso de software específico. Dessa maneira, para que sua empresa esteja realmente protegida, é necessário obter um programa de automação que dê conta da operacionalização desses processos. Ele deve fazê-lo de forma simplificada, diminuindo os erros da sua equipe, dando maior agilidade e melhorando a performance da sua empresa.

Quer saber como o Traxo pode ajudar aumentar a lucratividade da sua empresa? Mande-nos agora mesmo uma mensagem com sua dúvida.

O que fazer quando você perde suas notas fiscais?

Apesar de explicar no seu próprio nome, muitas pessoas ainda confundem o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (DANFE) com a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e). E é também comum se esquecerem de que o documento que tem importância e validade para o fisco é o arquivo .xml.

Dessa forma, o contribuinte passa a se preocupar com o documento errado e acaba descuidando do arquivamento correto das suas  Notas Fiscais Eletrônicas e ela acaba sendo extraviada ou perdida. Nesse caso, o que fazer quando suas notas fiscais são perdidas?

Obrigatoriedade da guarda das notas fiscais

O Ajuste Sinief 7, de 30 de setembro de 2005 indica que a apresentação do prazo para o arquivamento dos documentos fiscais é de 5 anos (mais o ano corrente). Esse prazo diz respeito às notas fiscais recebidas e aos documentos emitidos.

Essa prática é importante já que é o período necessário para que o governo possa cobrar por tributos não lançados, também chamado de período decadencial de cobrança da dívida. Tendo a posse dos documentos fica mais fácil para o contribuinte provar sua adimplência.

Além disso, fornecedores, prestadores de serviços ou quaisquer outras pessoas (físicas ou jurídicas), com as quais se negociou, podem realizar cobranças equivocadas. Com a posse dos documentos, dirimir dúvidas fica muito mais fácil.

Consequências da perda de notas fiscais

Perder documentos fiscais poderá expor a empresa a autuações. Ela pode ser obrigada a pagar multa pelo descumprimento da obrigação acessória, que pode ultrapassar o limite de R$ 1.000,00 por documento perdido.

Também é possível ser aplicada pena de reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, conforme nos traz a lei 9.964, de 10 de abril de 2000, no texto do seu artigo 1º.

O que fazer ao se perder uma NF-e?

É obrigação de cada empresa ter rígido controle sobre a guarda de seus documentos. Apesar desta tarefa ficar muito mais fácil quando se trata da NF-e pode haver alguns problemas.

Antes era necessário ter um grande espaço físico para guardar as notas fiscais. Inclusive, algumas empresas até alugavam espaços especialmente para isso. Agora, a NF-e trouxe uma nova realidade.

Como é um arquivo digital, pode ser facilmente armazenado em locais mais compactos, como computadores ou HDs externos. Apesar da exigência de investimentos iniciais em novos recursos tecnológicos, são documentos mais fáceis de serem organizados, buscados e consultados, em comparação às notas fiscais impressas.

Mas essa vantagem também tem seus pontos negativos. Um deles é que fica mais fácil perder esses dados caso os dispositivos em que estão armazenados sofram algum tipo de avaria. Por isso é importante adotar estratégias que garantam mais segurança a esses dados.

Mesmo assim, caso perca suas notas, é essencial verificar junto à Secretaria da Fazenda do seu estado os procedimentos corretos necessários para recuperar seu arquivo .xml, bem como junto a seus fornecedores aqueles emitidos para a sua empresa, pois é de sua competência a correta guarda e organização dessas informações.

Soluções práticas para evitar a perda de suas NF-es

Atualmente existem várias maneiras de se proteger contra os infortúnios da perda de documentos fiscais. Um deles é contratar uma empresa de tecnologia da sua confiança para realizar a guarda desses documentos na nuvem, utilizando um sistema ERP.

Adotar um bom software garante mais segurança e evita a perda de suas NF-es. Além disso, ainda permite a comodidade de poder acessar seus documentos em qualquer parte do mundo, bastando apenas ter tablet, smartphone ou um computador conectado à internet.

Determinados softwares auxiliam, inclusive, a monitorar seu CNPJ e a lhe manter atualizado sobre cada nota fiscal emitida para ele, evitando fraudes, dando mais segurança ao seu controle de estoque e aos processos da sua empresa.

A NF-e veio para revolucionar o fisco e trouxe consigo muitas mudanças positivas para as empresas, as instituições públicas e para toda a sociedade. Porém, muitas leis anteriores a ela ainda continuam valendo e atendê-las no ambiente da NF-e pode ser um desafio para muitas empresas, devido, principalmente, aos recursos iniciais financeiro e de capital humano.

No entanto, até mesmo esse desafio pode ser positivo, já que ele impulsionou as organizações a otimizarem seus processos. Nesse contexto, uma ideia é importante: contar com os recursos tecnológicos especializados para se adaptar a essa nova maneira de emitir documentos fiscais ainda é a estratégia mais inteligente para o seu negócio.

Para você, qual amelhor forma de organizar suas notas fiscais eletrônicas? Deixe sua opinião em nossos comentários!

Cancelamento de nota fiscal após 24 horas

O cancelamento de nota fiscal é um assunto que desperta muitas dúvidas nos empreendedores. Qual é o procedimento correto a ser adotado quando uma nota fiscal é emitida com informações equivocadas? Existe um prazo para que seja feito esse cancelamento?

Mesmo com toda a comodidade proporcionada pela nota fiscal eletrônica, nenhuma empresa está livre dos equívocos no momento do preenchimento das informações. Entretanto, é importante estar atento ao prazo de 24 horas para o cancelamento de nota fiscal nessas situações – caso contrário, será preciso solicitar à Receita Federal o cancelamento fora de prazo.

Neste artigo veremos como funciona o cancelamento de nota fiscal após 24 horas. Confira.

Principais situações para o cancelamento de nota fiscal

A nota fiscal é um documento que serve de comprovação em relação às movimentações financeiras realizadas por uma empresa perante o poder público. É por essa razão que é tão importante que todos os dados estejam preenchidos corretamente de acordo com a operação que realmente ocorreu.

A necessidade do cancelamento de nota fiscal pode ter origem em diversas pequenas falhas que comprometem a fidedignidade das informações:

  • Erro das informações básicas da sua empresa – como o CNPJ.
  • Informações equivocadas sobre o cliente.
  • Produtos destacados de maneira incorreta.
  • Falhas nos cálculos dos tributos.
  • Desistência ou alteração do negócio.
  • Outros erros de digitação.

Como funciona o cancelamento da NF após 24 horas?

Caso tenha passado o prazo de 24 horas após a emissão do documento, não é mais possível fazer o cancelamento de nota fiscal sem a aplicação de uma penalidade. Nessas situações, a operação é passível de multa aplicada pela Receita Federal.

Para que essa operação ocorra, é preciso que o contador realize um cancelamento extemporâneo – que é a transferência que a contabilidade faz, sendo necessário ir até a Sefaz e pagar uma taxa para que seja liberado o cancelamento de nota fiscal.

Para evitar esse processo, muitas empresas optam por outras alternativas em vez de realizar o cancelamento da nota fiscal:

  • Inutilização da nota fiscal, nos casos em que a numeração ainda não tenha sido adotada em nenhuma NF-e.
  • Devolução, que é a emissão de outro documento fiscal informando a devolução dos produtos vendidos.
  • Estorno, que consiste na devolução das mercadorias ao estoque junto com o imposto destacado. Nesses casos, é necessário que seja anexada uma declaração junto à nota de estorno com uma explicação e assinatura do destinatário.
  • Complemento, que é uma nota fiscal que complementa as informações incorretas da nota fiscal emitida.
  • Carta de correção, para erros de preenchimento que não tenham a ver com valores, impostos ou informações do destinatário.

Nota complementar: uma alternativa para o cancelamento

Imagine que você tenha emitido uma nota fiscal com informações equivocadas de ICMS sobre a venda. Em vez de fazer o cancelamento de nota fiscal, você pode simplesmente emitir uma nota fiscal complementar para que seja recolhido o valor devido ao Fisco.

Para a emissão de uma nota fiscal complementar basta que você insira as informações das operações que constam na nota fiscal a ser complementada e preencha a observação: nota Complementar para acerto da nota fiscal. Esse procedimento fica ainda mais fácil quando você utiliza um sistema de gestão que facilita a gestão fiscal e emissão de notas fiscais – como o Traxo.

Você já conhecia essa alternativa para o cancelamento da nota fiscal após 24 horas? Gostaria de conhecer melhor o sistema de emissão de NF-e do Traxo? Então visite o nosso website!

Como emitir NF-e não contribuinte

Você já enfrentou dúvidas na hora de emitir uma NF-e para não contribuinte? Esse é um assunto que deixa não apenas empreendedores, mas também profissionais da contabilidade inseguros. Principalmente, se abordarmos empresas que, majoritariamente, estão habituadas a venderem para outras organizações que são contribuintes, pois geralmente já possuem seus sistemas parametrizados para tal operação.

No meu dia a dia lidando com diversas empresas que comercializam mercadorias, percebo que as dúvidas dos empreendedores são basicamente as mesmas:

  • O procedimento para emitir uma NF-e a não contribuinte é igual à emissão para contribuintes?
  • Quais são as diferenças que preciso observar no momento do preenchimento da nota fiscal?
  • Como posso me certificar de que todas as informações na nota fiscal estão estão corretas?
  • Qual CFOP devo utilizar?
  • Qual será o código do ICMS?

Observar todas as exigências legais para fazer o preenchimento correto das notas fiscais pode poupar uma grande dor de cabeça para a sua empresa. Já imaginou ter que lidar com as consequências de uma NF-e com os dados equivocados, que podem incluir processos de ratificação, cancelamento ou, até mesmo, a aplicação de penalidades?

Neste artigo veremos como emitir NF-e a não contribuinte sem dor de cabeça. Confira!

O que é um não contribuinte?

Um não contribuinte nada mais é do que uma pessoa (física ou jurídica) que compra o seu produto e não tem a obrigação de recolher o ICMS. Um ótimo exemplo disso é uma empresa prestadora de serviço, que não possui Inscrição Estadual e está desobrigada de contribuir com o ICMS.

Além disso, qualquer venda feita a um consumidor final – que compra o seu produto para consumo próprio – também entra no grupo de operações com não contribuintes. Como regra geral, são não contribuintes as pessoas físicas e as empresas que não possuem Inscrição Estadual.

Como emitir a NF-e a não contribuinte?

Como você deve imaginar, a venda de um produto para um não contribuinte do ICMS demanda cuidados diferenciados no momento de emitir a nota fiscal. Afinal, é preciso se certificar de que essa informação seja transmitida ao poder público de forma correta. Mas quais são as principais particularidades na emissão da NF-e a não contribuinte? É o que veremos a seguir.

Preenchimento da NF-e

Para fazer a emissão da nota fiscal para não contribuinte será necessário informar diversos dados usuais no preenchimento do documento. Veremos a seguir quais são os principais deles – com destaque para os dados específicos para não contribuintes. Obviamente, em cada sistema, as informações onde esses campos são preenchidos varia.

Além dos dados básicos da NF-e como tipo de documento, data de emissão, forma de pagamento, dados do emitente e do destinatário, entre outras informações, a tabela a seguir demonstra quais campos e como eles devem ser preenchidos.

CampoValorNos sistemas
tradicionais
No sistema
Mainô
Consumidor
final
Quando a venda é feita para um consumidor final, existe um campo que deve ser marcado com valor “1 – Consumidor Final”. (ver figura acima)Geralmente este campo é apresentado na tela de confecção da nota fiscal.No sistema da Mainô este campo pode ser preenchido diretamente no cadastro do cliente, facilitando a emissão da NF-e.
Tipo de ContribuintePreencher com o valor 9 – não contribuinte.Geralmente este campo é apresentado na tela de confecção da nota fiscal.Este é mais um campo que pode ser preenchido diretamente no cadastro do cliente, ou seja, não é preciso preenchê-lo sempre que for emitir numa nota fiscal.
CFOPPara vendas para dentro do Estado preencher com 5102 – Venda de Mercadoria Adquirida ou Recebida de Terceiros; Para vendas para outros Estados preencher com 6108 – Venda de Mercadoria Adquirida ou Recebida de Terceiros.Geralmente este campo é apresentado na tela de cadastro do produto dentro da nota fiscal, sendo necessário o preenchimento em cada item dentro de uma nota fiscal.O sistema da Mainô é parametrizado para reconhecer que a operação está sendo realizada com um destinatário não contribuinte (observando o flag marcado no cadastro). Sendo assim, o CFOP é preenchido automaticamente.
CST do ICMSPara empresas optantes pelo Simples Nacional, CSOSN – Situação Tributária: 102 – Venda para não contribuinte do ICMS; Para empresas optantes por outros regimes tributários, CST – Código de Substituição Tributária deve ser 00, 20, 40, 41 e 60.Na tela de cadastro do produto dentro da nota fiscal, sendo necessário o preenchimento em cada item dentro de uma nota fiscal.Preenchimento automático de acordo com o cadastro do destinatário.
NFe não contribuinte

Marcando um destinatário como não contribuinte no sistema da Mainô: não é necessário alterar nota por nota, o sistema já altera o cálculo dos impostos, CFOP, CST do ICMS, etc.

Partilha do ICMS

Em operações de venda para não contribuintes localizados em outro estado, é necessário fazer o recolhimento do DIFAL (diferencial de alíquota). Nesses casos, o imposto é calculado com base na diferença entre a alíquota interna e a interestadual e é partilhado entre os Estados de origem e de destino, na seguinte proporção:

  • Para o ano de 2018: 80% (oitenta por cento) para o Estado de destino e 20% (vinte por cento) para o Estado de origem.
  • A partir do ano de 2019: 100% (cem por cento) para o Estado de destino.

Como a Mainô pode me ajudar?

Todos nós gostaríamos que o processo de emitir notas fiscais fosse tão simples quanto apertar um botão. Infelizmente, para o contribuinte, existem diversas preocupações no preenchimento dos campos que devem ser observadas. Nesse momento, para garantir a segurança fiscal, é importante utilizar um sistema de gestão que possua parametrizações fiscais que facilitem esse processo.

É dessa forma que podemos lhe ajudar. Em nosso software, basta você informar que o destinatário da nota fiscal é não contribuinte e nós cuidamos do restante: CST do ICMS, CFOP, CSOSN, Impostos, etc. Além de toda inteligência fiscal, que fará você emitir notas com uma velocidade até 90% maior que nos outros sistemas, você também terá a segurança de que as Notas estão corretas. Isso porque o nosso software é o único sistema para PMEs integrado a IOB.

Você já sabia como emitir a NF-e a não contribuinte? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

Como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição

Você conhece as particularidades que precisam ser observadas na emissão de uma NF de remessa para feira ou exposição? A participação nesses eventos é uma prática muito comum pois aumenta a visibilidade sobre a marca e atrai novos clientes. Porém, muitas dúvidas surgem em relação à legalização dessa prática.

Quais serão as informações que precisam ter na NF de remessa? Como funciona o transporte das mercadorias? De que forma a sua empresa pode se certificar de que está fazendo tudo dentro das normas legais? Essas são apenas algumas dúvidas comuns sobre o assunto.

Neste artigo veremos como emitir uma NF de remessa para feira ou exposição. Confira!

Emissão da NF de remessa

Para fazer o transporte das suas mercadorias da empresa até o local da feira ou exposição será necessário emitir uma nota fiscal que acompanha os produtos ao longo do percurso. Confira quais são os principais dados que devem estar inclusos nesse documento:

  • Natureza da operação: remessa para exposição ou feira.
  • Destinatário: o próprio nome da sua empresa.
  • Endereço: endereço da feira ou exposição.
  • CFOP: 5914 / 6914 para mercadorias normais e 5415 / 6415 para mercadorias sujeitas a substituição tributária.
  • Código da situação tributária:
    • CSOSN: 400 para o Simples Nacional.
    • CST: 41 para outros regimes tributários.

É importante ressaltar que essa é uma operação não tributada, independente do regime tributário da sua empresa.

Como preencher a NF de uma venda?

Nem sempre você concretizará vendas no local da feira ou exposição, mas quando isso acontecer será necessário emitir uma nota fiscal, certo? Para isso, confira as particularidades que diferem essa NF de uma venda realizada normalmente no estabelecimento da empresa:

  • Natureza da operação: venda fora do estabelecimento.
  • CFOP: 5104, que indica que a venda foi realizada fora do estabelecimento.

O restante dos dados informados são os mesmos utilizados em uma nota fiscal de venda regular, incluindo as informações sobre tributação além do CFOP.

Retorno da mercadoria para a empresa

No retorno das suas mercadorias do local da feira ou exposição para a sua empresa também será preciso portar uma nota fiscal para o transporte – justificando essa operação em casos de fiscalização. Assim como a NF de remessa para o local do evento, também devem ser observadas algumas particularidades:

  • Natureza da operação: retorno de mercadoria ou bem remetido para exposição ou feira.
  • Destinatário: novamente, será utilizado o nome da sua empresa.
  • Endereço: o endereço da sua empresa.
  • CFOP: 1914 / 2914 para mercadorias normais ou 1415 / 2415 para mercadorias sujeitas a substituição tributária.
  • Código da situação tributária:
    • CSOSN: 400 para o Simples Nacional;
    • CST: 41 para outros regimes tributários.

Essa também é uma operação não tributada, seja qual for o regime tributário da sua empresa. Além disso, é importante ressaltar dois detalhes importantes no transporte de retorno das mercadorias para a sua empresa.

  • Essa NF deve conter apenas as mercadorias que não foram vendidas no evento.
  • As mercadorias devem retornar à empresa no prazo máximo de 60 dias após a emissão da NF de saída dos produtos da empresa.

 

Você já sabia como funciona a emissão de uma NF de remessa para feira ou exposição? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Deixe o seu comentário!

Promoção de Indicação no Traxo

Durante os últimos meses tivemos uma adoção em massa de milhares de empresa ao Traxo. Em menos de 6 meses, são mais de 3 mil empresas que já utilizaram o Traxo, seja nas suas versões gratuitas ou pagas.

 

Nesses meses percebemos que devido a situação econômica do país, muitas empresas ainda não tem condições de adquirir um plano do sistema, permanecendo no Traxo Free, mas precisam emitir mais do que 5 NF-es / mês.

 

Pensando nessas empresas, criamos uma promoção para o Traxo do tipo “o patrão pirou”.

 

Além de todas as vantagens do Traxo que você já conhece, como monitoramento ilimitado de NF-es recebidas, controle de estoque integrado, gestão de vendas, gestão de cobranças e emissão de boletos mais barato que o banco, o Traxo possui planos diferentes com limite de NF-es emitidas.

 

Atualmente os planos são assim:

 

  • Traxo Free: até 5 NF-es por mês, é 100% gratuito;
  • Traxo Small: até 30 NF-es por mês, R$59,90 / mês;
  • Traxo Standard: até 300 NF-es por mês, R$129,90 / mês;
  • Traxo Full: até 3.000 NF-es por mês, R$199,90 / mês;

 

Agora imagine se os planos fossem assim:

 

  • Traxo Free: até 5 NF-es 30 NF-es por mês, é 100% gratuito;
  • Traxo Small:até 30 NF-es 300 NF-es por mês, R$59,90 / mês;
  • Traxo Standard: até 300 NF-es 3.000 NF-es por mês, R$129,90 / mês;

 

Imagine se você pudesse adquirir o plano Traxo Small sem pagar nada?

 

Ou adquirir o plano Traxo Standard pelo Preço do Small?

 

Ou o Traxo Full pelo Preço do Standard?

 

Pois nós pensamos em um jeito de tornar isso possível!

 

Mas tem que ser agora.

 

Essa promoção só vale para as 50 primeiras empresa que indicarem 5 novas empresas para o Traxo.

 

Como funciona?

 

Ao acessar o Traxo (se você ainda não tem conta, crie uma em www.traxo.com.br), você verá na parte superior do sistema um link exclusivo seu. Cada empresa que se cadastrar através do seu link exclusivo, nós enviaremos um e-mail para você avisando. Assim que 5 empresas se cadastrarem através do seu link exclusivo você ganha o upgrade de plano. Para sempre! Sem pegadinhas.

 

Aqui é onde fica seu link exclusivo no Traxo:

promocao-traxo


Dicas para divulgar seu link

Aqui vão algumas dicas para divulgar seu link exclusivo. Uma boa divulgação aumenta e muito as chances do seu sucesso. Veja aqui 5 dicas:

 

  1. Divulgue seu link exclusivo nas redes sociais, mas não se esqueça de escrever um texto junto incentivando as pessoas a utilizarem o sistema.
  2. Não esqueça o LinkedIn, que é uma excelente forma de comunicação empresarial.
  3. Divulgue seu link em grupos de WhatsApp relacionados a empresas. Nada de grupos que só tem fotos de gatos, isso não adianta.
  4. Divulgue para sua lista de e-mails. Isso geralmente é o mais eficaz.
  5. Nós vamos te dar uma ajudinha! A cada nota fiscal enviada por sua empresa para outra empresa, o Traxo enviará automaticamente seu link exclusivo convidando o destinatário da NF-e a utilizar o sistema. Se o destinatário da NF-e se cadastrar no Traxo Free pelo seu link exclusivo, ele também ganha. São + 5 NF-es por mês, ou seja, 10 NF-es por mês para seu parceiro de negócios.

 

Lembre-se que essa promoção só vale para as 50 primeiras empresa que indicarem 5 novas empresas para o Traxo.

 

botao-clique-aqui-acesso-imediato-traxo

 

Atualizando!!

 

3 passos para fazer uma gestão de estoque de sucesso

Uma gestão de estoque de sucesso se caracteriza pela maneira como a quantidade de produtos é gerenciada, fazendo com que não falte e também não sobre nada, de modo que sua empresa nunca fique com produtos parados em suas prateleiras, evitando um grande risco de prejuízo.

É importante analisar a demanda existente, mantendo seu estabelecimento abastecido de maneira ordenada, para que não se mantenha um estoque maior do que o necessário. Isso tudo sem perder, porém, toda a sua diversidade de produtos. Para te ajudar a entender melhor como funciona todo esse processo, selecionamos alguns pontos de grande relevância para uma gestão de estoque de sucesso. Confira:

Entenda a importância da gestão de estoque

Com o momento econômico e financeiro vivido atualmente pelo país, a atenção em relação ao controle de estoque das empresas é redobrada. Afinal, a falta de qualquer item nos pontos de venda pode ser extremamente prejudicial, causando a diminuição de suas vendas e podendo interferir até nos processos produtivos. Por isso, é importante estar atento ao tipo de gestão que vem sendo aplicada na sua empresa, a fim de controlar melhor seu estoque e, dessa maneira, poder garantir resultados satisfatórios.

Saiba como realizar uma gestão de estoque de sucesso

Um dos itens de maior relevância nessa gestão é o acompanhamento dos produtos que têm mais giro em suas prateleiras e daqueles que estão há muito tempo parados em seu estoque. Quando se tem mercadorias com mais saída do que outras, é preciso realizar uma projeção de atividades a fim de que a empresa consiga cumprir com os prazos de entrega. Por isso, é importante ter um histórico rotativo ou até mesmo diário de entrada e saída de mercadorias.

Fazendo uma relação sólida com base em todos os produtos em estoque, fica mais fácil minimizar a compra de produtos desnecessários, o que diminui os custos da empresa e foca apenas em produtos que terão mais rotatividade e que proporcionarão lucros mais rapidamente.

Mantenha a organização nas informações

É importante reforçar a necessidade de se manter a organização das informações por meio de profissionais capacitados para desenvolver essa tarefa. Dependendo do tamanho da empresa, será necessário ter uma pessoa que exerça especificamente essa função, e que se responsabilize tanto por manter o estoque em ordem quanto para realizar os pedidos de compra do que está em falta. Se houver necessidade de se manter mais funcionários nesse setor, eles deverão estar totalmente sincronizados.

É importante implementar algumas táticas que ajudam a manter uma boa gestão no controle de estoque:

  • Calcular a previsão de demanda;
  • Definir a quantidade de estoque;
  • Escolher o modelo de reposição;
  • Fazer uma avaliação do fornecedor e dos preços.

Encontre um software que atenda às necessidades da empresa

Verifique a demanda de sua empresa, tendo em vista o seu perfil e seu o tamanho. Uma planilha bem elaborada poderá atender às necessidades de uma empresa de pequeno porte. Já para aquelas um pouco maiores, o recomendado é investir em um software que proporcione uma relação mais clara dos produtos em estoque.

Faça uma pesquisa de mercado e invista de forma segura. Fique atento a essas dicas e coloque em prática a fim de melhorar os resultados de sua empresa!

 

Guia de Gestão de Estoque para Distribuidoras, Indústrias e Importadoras

Um mal planejamento na gestão de estoque pode trazer grandes prejuízos financeiros para sua empresa. Especialmente quando se trata de empresas de comércio B2B, ou seja, empresas distribuidoras (que vendem para outras empresas), o controle deve ser ainda mais apurado, pois estas empresas costuman lidar com um grande volume de itens.

Pensando nisso, decidimos criar este ebook: um guia prático de gestão de estoque para Distribuidoras, Indústrias e Importadoras, com algumas dicas que podem melhorar ainda mais o controle de estoque da sua empresa. Quer aprender um pouco mais a respeito desse assunto? Baixe o guia gratuito.

Baixar guia de gestão de estoque

Os assuntos abordados no Guia de Gestão de Estoque Gratuito, são:

  • Classificação e padronização de produtos
  • Erros comuns na gestão de estoque da maioria das empresas
  • Como fazer um bom planejamento de estoque
  • Como escolher a melhor ferramenta de controle de estoque para sua empresa

Ao seguir as dicas apresentadas no Guia de Gestão de Estoque, você minimizará os riscos financeiros e poderá aumentar a lucratividade da sua empresa.

 

Descubra os 4 piores erros na gestão de estoque

A necessidade de um bom gerenciamento de estoque em uma empresa independe de seu ramo. Seja ela da área alimentícia, automobilística, informática, dentre tantas outras, controlar bem o estoque é importante para o bom andamento do negócio, da mesma forma que para os lucros da empresa e satisfação do cliente.

Quer saber o que não deve ser feito de forma alguma na hora de gerir o estoque do seu empreendimento? Pretende fugir de conflitos e contratempos?

Continue conosco e descubra quais são os 4 piores erros na gestão de um estoque: Continue reading “Descubra os 4 piores erros na gestão de estoque”