Gestão Comercial de Autopeças: Associativismo como ferramenta

Tempo de Leitura 2 Minutos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Dentro de uma estratégia de gestão comercial eficaz, o associativismo é um importante instrumento de participação e crescimento de determinado grupo com objetivos comuns. Ele permite maior representação social, política e econômica.

No setor de autopeças, o modelo mais utilizado é o de rede de empresas, onde empresários se unem visando benefícios como: maior poder de compra, penetração no mercado nacional e regimes fiscais específicos. Unir-se a outras empresas com sinergia nas linhas de produtos no estoque para autopeças também é uma estratégia de gestão comercial que ajuda a encontrar melhores canais para distribuição e comercialização de seus produtos.

Como exemplo de uma gestão comercial bem sucedida podemos citar o maior player nacional: a Rede Âncora, fundada em 1998 por Álvaro Pereira. Álvaro se uniu a 12 empresários do setor com objetivos de gestão comercial comuns como por exemplo: maior poder de compra, presença nacional e expansão para outras praças regionais do mercado de autopeças.

Hoje com presença em todo o país, a rede compreende uma estrutura com 16 centros de distribuição, mais de 750 pontos de venda, 350 municípios atendidos, mais de 3.500 funcionários, além de 96 fabricantes parceiros da rede com fornecimento direto. Estima-se que a rede possui mais de 100 mil itens disponíveis no catálogo de produtos entre sortimentos de peças, acessórios, linhas leves e pesadas.

Outro exemplo de sucesso sobre o uso do associativismo na gestão comercial é a Distribuidora Automotiva – uma empresa do Grupo Comolatti – que fundou em 2009 a Rede Pit Stop. Trata-se de uma rede associativista de varejo de autopeças e serviços, linha leve e pesada, apoiado no modelo do Grupo Auto Internacional (EuroGarage / Top Truck) e voltada para o fortalecimento do mercado independente de reposição de autopeças.

Algumas exigências são feitas no processo de associação como a padronização de fachada e processos internos. Essas exigências iniciais podem parecer excessivas, entretanto elas garantem a uniformidade do serviço prestado aos clientes finais. Somado-se a isso, através de uma associação ganha-se visibilidade junto as fabricantes, facilitando os processos de garantia de fábrica e treinamentos técnicos que podem elevar a qualidade do serviço prestado.

Os exemplos anteriores demonstram que o associativismo é uma estratégia extremamente lucrativa na gestão comercial, cumprindo seu propósito de ampliar a visibilidade da loja e permitir a escalabilidade do negócio.

Gostou do nosso conteúdo sobre o mercado de autopeças? Deixe o seu comentário!

Powered by Rock Convert

Não esqueça de compartilhar esse post!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print
banner news

Siga a Mainô nas redes

3
Deixe um comentário

2 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Luiz Raymundo

Muito bom.

Obrigada, Luiz!
Temos outros artigos sobre autopeças aqui no nosso blog. Dá uma conferida! 🙂

Gisele Cerqueira

Muito bom!

Obrigado por se cadastrar!