Reintegra: conheça este incentivo a exportação

Tempo de Leitura 3 Minutos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Entenda como fomentar suas exportações por meio do Reintegra, incentivo fiscal do Governo.

O Brasil é uma das maiores economias do mundo, com grande margem para desenvolver seu comércio exterior. Visando estimular os negócios do país com o mundo, uma série de mecanismos de incentivos foi criada pelo Governo, sobretudo na exportação. O Reintegra faz parte desse grupo e é essencial para o planejamento estratégico das exportações da sua empresa. 

Você não quer ficar de fora desse benefício, não é mesmo? Então entenda no que exatamente consiste esse incentivo e como tirar proveito dele para aumentar suas exportações!

Reintegra: o que é?

Criado como medida provisória em 2011 e posteriormente convertido na Lei 13.043/2014 , o Reintegra, ou Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras, nada mais é do que um programa de incentivo/fomento às exportações de bens manufaturados brasileiros. 

O incentivo ocorre por meio da restituição fiscal dos tributos pagos ao longo da cadeia produtiva do bem que foi exportado. Ou seja, as empresas têm o retorno do valor pago em tributos, como  PIS, COFINS, CPMF, IRRF, dentre outros, presentes em diferentes etapas da cadeia de produção. 

planilha-de-calculo-de-nf-e-importacaoPowered by Rock Convert

Esse incentivo é fruto do Plano Brasil Maior, que tinha o objetivo de  restituir, de forma integral ou parcial, os tributos pagos ao longo da cadeia produtiva de manufaturados e alguns semimanufaturados destinados à exportação. Além do Reintegra, existem outros incentivos à exportação promovidos pelo Governo Federal os qiais você pode conferir em nosso GUIA DE EXPORTAÇÃO

Quais empresas são contempladas pelo Reintegra?

Sendo um benefício direcionado à exportação, todas as empresas exportadoras podem ser contempladas pelo Reintegra. No entanto, para que o benefício seja adquirido, é necessário que o bem produzido cumpra os seguintes pré-requisitos:

  • Ser produzido em território brasileiro – o que contempla os processos de industrialização como transformação, beneficiamento, montagem,  renovação ou recondicionamento;
  • Estar incluído na TIPI – Tabela de Incidência do Imposto sobre Produto Industrializado, aprovada pelo Decreto 7.660, de 23 de dezembro de 2011;
  • Segundo anexo presente no decreto mencionado acima, os insumos importados para a fabricação do bem não podem ter seu custo superior ao limite percentual do preço de exportação. 

Sobre esses insumos importados, é importante que você saiba que:

  • Insumos importados dos países do mercosul são considerados nacionais;
  • O custo desse insumo corresponderá ao seu valor aduaneiro, somado ao Imposto de Importação e ao AFRMM;
  • Caso importado de uma empresa, o custo do insumo será o mesmo que o custo final do fabricante importador;
  • O preço da exportação será aquele estipulado no local de embarque.

Todas as empresas exportadoras cujos produtos possuam as características enumeradas acima poderão usufruir do Reintegra. 

Como funciona o Reintegra?

Em primeiro lugar, você só pode solicitar o benefício após a realização efetiva da exportação. Para realizar o pedido de restituição do Reintegra, é preciso que você possua todos os registros de exportações compatíveis com as notas fiscais eletrônicas do período desejado, lembrando que o período máximo consiste nos 5 anos anteriores ao pedido.

Após a comprovação do direito ao crédito, cuja alíquota pode variar entre 0,1% e 3%, você pode realizar o pedido de ressarcimento logo depois do término do trimestre no qual ocorreu a exportação. Além disso, o benefício pode ser obtido em espécie ou como ressarcimento de débitos próprios relativos a tributos que a empresa possui junto à Receita Federal.

Para aproveitar do Reintegra da melhor forma possível, é necessário  atentar para alguns fatores:

  • Exportações ocorridas há mais de 5 anos não podem ser contempladas pelo Reintegra;
  • Atenção às NCMs – caso estejam irregulares, podem invalidar sua solicitação;
  • Não acumule o crédito – o valor não sofre correções monetárias e inflacionárias quando “paralisado” na Receita Federal – logo, priorize a restituição imediata;
  • Caso a empresa decida pela compensação sob forma dos créditos do Reintegra, deve informar tal opção  na Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF).
  • Desde 2017 , os pedidos de ressarcimento do Reintegra podem ser realizados por meio da DU-E 
  • Muitas empresas exportadoras perdem oportunidades de negócio por não buscar essa restituição. Diferencie-se delas fazendo uso do Reintegra para impulsionar as suas exportações!
Ebook incoterms 2020Powered by Rock Convert

Não esqueça de compartilhar esse post!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no print
banner news

Siga a Mainô nas redes

Deixe um comentário

  Subscribe  
Notify of

Obrigado por se cadastrar!